Sobrevivência ao câncer é extremamente variável internacionalmente

Sobrevivência de pessoas com câncer

Um estudo conduzido por mais de 100 cientistas em 31 países, entre os quais o Brasil, revelou grandes discrepâncias regionais em relação às taxas de sobrevivência de pessoas com câncer. A pesquisa é a primeira a comparar diretamente dados sobre a doença em um número tão expressivo de países.

O trabalho identificou variações não apenas entre os países, mas dentro deles. Um exemplo destacado foi a diferença observada nas taxas de sobrevivência entre brancos e negros nos Estados Unidos. O estudo, chamado de Concord, foi coordenado por Michel Coleman, da Escola de Higiene e Medicina Tropical de Londres, e será publicado na edição de agosto da revista Lancet Oncology.

Acompanhamento dos pacientes

Os pesquisadores usaram dados de cerca de 2 milhões de pacientes de 101 bases de dados em cinco continentes para comparar a sobrevida em cinco anos de cânceres de mama, colo-retal e próstata. O Brasil foi o único país da América do Sul no estudo, que incluiu Argélia, Austrália, Cuba, Estados Unidos e Japão - os demais eram europeus.

De 16 dos 31 países, os dados cobriram toda a população. Os pacientes foram diagnosticados com a doença entre 1990 e 1994 e acompanhados até o fim de 1999. Os dados foram ajustados para levar em conta diferenças internacionais em taxas de mortalidade e variações de idade.

Variação entre os países

As maiores taxas de sobrevivência foram observadas nos Estados Unidos (mama e próstata), Japão (cólon e reto em homens) e França (cólon e reto em mulheres). Índices altos de sobrevida para a maioria dos cânceres foram verificados no Canadá e na Austrália. Na outra ponta ficou a Argélia, com os piores indicadores tanto para homens como para mulheres.

O Brasil ficou em 17º em câncer colo-retal em homens, em 22º em próstata e em 23º em colo-retal em mulheres. A taxa de sobrevida brasileira em câncer de mama só ficou à frente da Eslováquia e da Argélia entre os países avaliados. A parte brasileira no estudo foi conduzida por pesquisadores do Departamento de Epidemiologia da Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca e do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Variações no interior dos países

Nos Estados Unidos, foram analisados 16 estados e áreas metropolitanas. Nova York apresentou as piores taxas para todos os tipos da doença estudados, com exceção do câncer de reto em mulheres, em que o Wyoming ficou no fim da lista. Os melhores indicadores ficaram com Seattle (próstata), Idaho (reto em homens) e Havaí (todos os demais).

Na comparação entre brancos e negros foi identificado o que os pesquisadores chamaram de "golfo", com os primeiros apresentando sobreviva de 7% (próstata) a 14% maior (mama).

Na Europa, a França apresentou os melhores resultados em cânceres de reto e cólon, enquanto Suécia ficou em primeiro em mama e Áustria em próstata. As piores taxas de sobrevivência de pacientes foram observadas em nações do leste europeu, como a Eslováquia (reto em homem e mama) e Polônia (os demais).

"Os resultados podem ser atribuídos a diferenças no acesso a serviços de diagnóstico e de tratamento. A variação na Europa, por exemplo, está associada com níveis de desenvolvimento econômicos e com os gastos de cada país com saúde. Outro fator de aumento da sobrevida é o investimento em tecnologia", destacaram os autores.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Ansiedade

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.