Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

28/06/2012

Superalho: Os vampiros que se cuidem

Com informações da Unesp
Superalho: Os vampiros que se cuidem
Uma das vantagens do superalho é ser do tipo roxo, com sabor mais intenso e por isso preferido por aqui, enquanto o produto chinês é do tipo branco, mais insosso ao paladar brasileiro.[Imagem: Unesp]

Alhos e vampiros

Uma nova variedade de alho, de melhor qualidade e mais lucrativa para os agricultores, poderá ajudar o setor a enfrentar a dura competição com o produto importado, que vem sobretudo da China.

Ingrediente básico de nossas cozinhas, o alho brasileiro passa por uma séria crise.

Se os vampiros não são muito comuns por aqui, o alho brasileiro possui dois inimigos mortais.

De um lado, uma gama de vírus que parasitam a planta e prejudicam seu crescimento, o que resulta em cabeças de alho um tanto franzinas.

De outro, a dura concorrência internacional. Mais da metade do alho consumido no Brasil é importada da Argentina, da Espanha e da China, segundo a Associação Nacional dos Produtores de Alho (Anapa).

Superalho

Marcelo Agenor Pavan e seus colegas da Faculdade de Ciências Agronômicas (FCA) da Unesp, em Botucatu, desenvolveram uma tecnologia que permite cultivar uma planta livre de pragas virais.

Isso resulta em uma cabeça de alho maior do que as vistas no supermercado ou na feira.

É o "superalho", que, segundo os pesquisadores, pode aumentar a competitividade do produto nacional.

Testado em Goiás, o superalho, livre de vírus, mais graúdo, turbinou a produtividade, que alcançou até 18 toneladas por hectare. A produção média brasileira é de cinco a seis toneladas de alho por hectare.

Outra vantagem do superalho, ressalta o pesquisador, é ser do tipo roxo, com sabor mais intenso e por isso preferido por aqui, enquanto o produto chinês é do tipo branco, mais insosso ao paladar brasileiro.

Vírus nos dentes

Apreciadores de seu sabor intenso e de seus poderes medicinais, entre eles alguns benefícios cardíacos, os consumidores brasileiros mal sabem que seu alho de cada dia é de baixa qualidade.

De acordo com o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a qualidade do alho é medida pelo tamanho da cabeça (bulbo) e, numa escala de 1 a 7, o produto nacional recebe em média nota 4.

Segundo Pavan, a baixa qualidade do nosso alho deve-se ao fato de as sementes - bulbilhos, para os cientistas; para nós, dentes - estarem infectadas por vírus, que não matam a planta, mas sugam seu alimento.

Como a propagação do pé de alho é feita exclusivamente de forma vegetativa (reprodução assexuada), a diversidade genética entre as plantas é muito baixa, o que diminui sua resistência a pragas e favorece o acúmulo de várias espécies virais de uma geração para a outra.

A infestação por vírus compromete seriamente o desenvolvimento da planta, diminuindo o tamanho dos bulbos e bulbilhos e, logo, a produtividade.

Agora o desafio do grupo de Botucatu é divulgar o superalho de forma mais ampla no setor agrícola. Os pesquisadores acreditam que, quanto mais disseminada estiver a tecnologia, mais fácil será fazer frente ao produto importado.

Benefícios do alho

Além do sabor, o alho tem importantes benefícios à saúde:


Ver mais notícias sobre os temas:

Alimentação e Nutrição

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão