Crianças brasileiras estão crescendo acima dos padrões internacionais

Crescimento das crianças

As crianças brasileiras entre 5 e 9 anos de idade estão crescendo acima dos padrões internacionais, de acordo com um estudo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

A Pesquisa de Orçamentos Familiares 2008-2009, que visitou cerca de 60 mil domicílios, mostra que cerca de 50% das crianças até 5 anos têm cerca de 1,12 metro.

Tanto a evolução da altura quanto a do peso estão acima da curva mediana estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse padrão não corresponde a um número.

"Os dados mostram uma superação da curva da OMS e até uma superação nas faixas etárias mais jovens, mostrando que a população brasileira está com o crescimento compatível e até superior ao padrão internacional", afirma a pesquisadora do IBGE, Marcia Quintslr.

Peso das crianças brasileiras

Mesmo com o crescimento dentro do esperado, devido ao problema do excesso de peso e da obesidade no restante da população, a pesquisa alerta que a "evolução dos pesos medianos das crianças brasileiras sugere uma atenção especial com a alimentação".

"Mas não é um cenário apenas positivo. Notamos redução do défice de peso e altura, mas aumento do excesso de peso e obesidade", destacou a pesquisadora, ao lembrar que o problema atinge 34,8% das crianças entre 5 e 9 anos.

Em relação à altura, a pesquisa informa que os brasileiros até os 10 anos, independentemente do sexo, estão dentro do padrão. Já os adolescentes, principalmente os meninos com 15 anos, apresentam um déficit na comparação com a curva mediana internacional.


Ver mais notícias sobre os temas:

Cuidados com a Família

Atividades Físicas

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.