Sete técnicas cientificamente comprovadas para aliviar a dor

Aliviar a dor

Uma descoberta recente mostrou que prender a respiração pode aliviar a sensação de dor.

Este truque, contudo, só funciona se você estiver esperando pela dor.

Mas não desanime, há outras formas de ludibriar o sofrimento, e aqui estão nada menos do que sete truques fáceis e cientificamente testados de aliviar a dor.

E, melhor de tudo, estas técnicas funcionam também depois que você já teve um infeliz encontro com um martelo, gaveta ou porta.

1. Cheire um perfume

Cheiros agradáveis parecem reduzir a intensidade de um estímulo doloroso - pelo menos para as mulheres.

Em um estudo de 2002, voluntários do sexo feminino tinham as mãos submersas em água dolorosamente quente, e relataram menos dor quando sentiam ao mesmo tempo aromas agradáveis, como flores ou amêndoas. Mas quando o cheiro era de vinagre, a dor piorou. O efeito não pareceu funcionar em voluntários do sexo masculino.

2. Xingue e pragueje

Se a sua primeira reação a um tropeção que quase lhe arranca o dedo é xingar em voz alta, isso até pode ser ruim para quem estiver perto de você, mas lhe ajudará a sentir um alívio, de acordo com uma pesquisa feita por uma equipe da Universidade de Keele (Reino Unido).

Eles descobriram que as pessoas lidam melhor com a dor de ter sua mão submersa em água gelada quando praguejam, talvez porque a língua solta desencadeie uma resposta hormonal que diminui a dor, arriscam os cientistas.

Infelizmente, isso parece não funcionar tão bem em pessoas que já xingam muito normalmente.

3. Olhe para uma imagem bonita

Pesquisadores da Universidade de Bari (Itália) descobriram que mostrar fotos que os voluntários classificavam como belas reduziu a dor que eles sentiam quando um laser queimou suas mãos, e pareceu reduzir a atividade nas regiões do cérebro que normalmente processa a dor.

4. Adote posições estranhas

Basta cruzar um braço sobre o outro para reduzir a intensidade da percepção da dor causada pelo disparo de um laser no dorso da mão.

Os pesquisadores da Universidade College de Londres acreditam que colocar os braços em posições estranhas essencialmente confunde o cérebro e interrompe o sinal de dor.

5. Ouça música

A música certa parece aliviar a dor física.

Voluntários recebendo tratamento odontológico mostraram-se menos propensos a pedir uma anestesia enquanto assistiam clipes de música durante o procedimento, enquanto pessoas sentindo dor após uma cirurgia de câncer lidaram melhor com a dor ao ouvir música instrumental suave.

6. Apaixone-se

Embora não seja uma receita que se possa aviar instantaneamente, apaixonar-se torna o mundo mais brilhante e melhora o sabor dos alimentos - e, claro, pode aliviar a dor física.

A boa notícia é que, se você já estiver apaixonado, basta olhar para uma foto de seu amado ou amada para reduzir a intensidade da dor de segurar um objeto dolorosamente quente.

Mas tem que ser amor verdadeiro - fotos de outras pessoas atraentes não têm qualquer efeito.

7. Toque você mesmo

Em 2010, neurocientistas da Universidade College de Londres descobriram que as pessoas suportavam melhor o aumento de calor aplicado a seus dedos quando tocavam a mão aquecida com sua outra mão.

A equipe diz que o autotoque reduziu o nível de percepção do calor doloroso em 64%.

Analgésico definitivo

De posse desta lista de tantos experimentos bem documentados, agora é esperar que algum cientista se interesse em juntar tudo e ver o resultado.

Quem sabe se eles não descobrem o "analgésico definitivo" pedindo que os voluntários toquem-se em posições estranhas próximo a um frasco de perfume enquanto ouvem música e olham para uma linda foto do ser amado, tudo isto enquanto xingam desaforadamente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sistema Nervoso

Mente

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.