Toque retal para prevenção de câncer de próstata não deve ser rotina

Falta de evidências científicas

Em uma reviravolta surpreendente em relação a todas as campanhas anteriores de esclarecimento e prevenção do câncer de próstata, o Instituto Nacional do Câncer (INCA) anunciou que o toque retal e o exame de dosagem de PSA não deve ser uma rotina para os homens que não possuam sintomas da doença.

"Não existem evidências científicas de que o rastreamento para o câncer de próstata reduza a mortalidade causada pela doença", afirma Ana Ramalho, gerente da Divisão de Gestão da Rede Oncológica do Instituto Nacional de Câncer.

Prevenção do câncer de próstata

Rastreamentos são as práticas de exames preventivos associados a campanhas para diminuição das doenças. A implantação das políticas de rastreamento, contudo, segundo os especialistas, exige que as práticas preventivas mostram-se eficazes na redução das taxas de mortalidade de uma determinada doença. E, segundo o INCA, isso não acontece com o câncer de próstata.

Dessa forma, não é indicado que homens sem sintomas (sangue na urina; necessidade freqüente de urinar, jato urinário fraco; dor ou queimação ao urinar) se submetam rotineiramente ao toque retal e ao exame de dosagem do antígeno prostático específico (PSA, na sigla em inglês). A Organização Mundial de Saúde não recomenda a estruturação de programas de rastreamento para o câncer de próstata.

Riscos e benefícios do toque retal

O INCA recomenda que homens que demandem espontaneamente a realização do exame de rastreamento sejam informados por seus médicos sobre os riscos e benefícios associados a esta prática. No entanto, o homem sempre deve procurar o urologista na presença de algum sinal de alerta.

"Estudos demonstram que o câncer de próstata é evidenciado histologicamente em 30% dos exames pós-morte em homens com mais de 50 anos. Isso significa que, num grande número de homens, a doença está presente, mas nunca evoluirá", pontua Ana Ramalho.

Tratamentos desnecessários

Estão em curso atualmente dois grandes estudos (um que reúne dados de oito países da Europa e o outro, nos Estados Unidos) que investigam o impacto do rastreamento da doença na mortalidade masculina.

Até agora, as pesquisas constataram excesso de diagnóstico de câncer de próstata nos grupos analisados e maior probabilidade de encontrar tumores de lenta progressão (a maioria) que, muitas vezes, nem chegariam a afetar a saúde do paciente, mas, quando detectados, exigem que o homem se submeta a tratamentos.

Esses resultados reiteram a necessidade de maior tempo de seguimento para demonstrar se haverá ou não redução da mortalidade com o rastreamento.

Não existem tratamentos sem riscos

E nenhum tratamento é isento de riscos. A radioterapia, indicada tanto para tumores pouco agressivos quanto para o agressivo localizado, ataca não só as células tumorais, mas também células saudáveis da bexiga e do reto, o que pode deixar seqüelas. Outro risco sério é a possibilidade de o paciente ter disfunção erétil (estimada em até 70%) e incontinência urinária (até 25%), após a retirada da próstata, segundo o National Health Service, do Reino Unido.

"O conhecimento atual sobre rastreamento de doenças é de que, como em qualquer outra tecnologia em saúde, seu uso pode trazer benefícios e riscos, que devem ser cuidadosamente analisados e comparados antes de sua incorporação na prática médica e de saúde pública", complementa a médica.

Acompanhamento das pesquisas científicas

Com exceção dos Estados Unidos, onde o teste do PSA é muito popular, nenhum outro país adota o rastreamento do câncer da próstata como uma política de saúde pública.

"O INCA continuará acompanhando o debate científico sobre o tema, podendo rever esta posição quando estiverem disponíveis os resultados dos estudos multicêntricos em curso", concluiu Ana Ramalho.

Segunda causa de morte por câncer entre homens

O câncer de próstata é a segunda causa mais comum de morte por câncer entre os homens no Brasil. Esse câncer é raro antes dos 50 anos e o risco é maior em homens com história familiar.

Ele não é uma doença única, mas engloba desde tumores muito agressivos até aqueles de crescimento lento. Muitos homens com a doença menos agressiva tendem a morrer com o câncer, em vez de morrer do câncer, mas nem sempre é possível dizer, no momento do diagnóstico, quais tumores são agressivos e quais os de crescimento lento.

Formas específicas de prevenção do câncer da próstata

Não são conhecidas formas específicas de prevenção do câncer da próstata. No entanto, adotar hábitos saudáveis, como fazer exercícios físicos, não fumar e ter uma alimentação rica em vegetais, é capaz de reduzir o risco de desenvolvimento de certas doenças, entre elas o câncer.

De acordo com as estimativas do Instituto Nacional de Câncer, são esperados ao longo de 2008 49.530 novos casos de câncer de próstata. Os estados com as maiores taxas brutas de incidência (número de casos a cada 100 mil habitantes) são Rio Grande do Sul (80,63), Rio de Janeiro (77,93), Paraná (65,16) e São Paulo (64,3).

Veja todas as notícias mais atuais sobre câncer de próstata.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde do Homem

Prevenção

Câncer

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.