Triplicar impostos sobre cigarros evitaria 200 milhões de mortes

Triplicar impostos sobre cigarros pode evitar 200 milhões de mortes
Os cigarros causam mais câncer nas mulheres do que nos homens.
[Imagem: Geierunited/Wikimedia Commons]

Triplicar os impostos sobre os cigarros em todo o mundo reduziria o número de fumantes em um terço e evitaria 200 milhões de mortes prematuras até o fim deste século por câncer de pulmão e outras doenças causadas pelo tabagismo.

Esse grande aumento de impostos até dobraria o preço de varejo dos maços cigarros em alguns países, e diminuiria a diferença de preço entre os cigarros mais baratos e os mais caros.

Isso encorajaria as pessoas a parar de fumar, em vez de mudar para uma marca mais barata - e ajudaria os jovens a não começar a fumar.

Esses cálculos e essas recomendações foram feitos por uma equipe liderada pelo Dr. Jha Prabhat (Universidade de Toronto - Canadá) em um artigo publicado no New England Journal of Medicine.

Segundo a equipe, o aumento de impostos sobre os cigarros seria especialmente eficaz em países de renda baixa e média, onde os cigarros mais baratos são relativamente acessíveis e onde o tabagismo entre a população continua a aumentar.

Mas a medida também seria eficaz nos países ricos, disse Prabhat, observando que a França cortou pela metade o consumo de cigarros entre 1990 e 2005 aumentando os impostos bem acima da inflação.

"A morte e os impostos são inevitáveis, mas eles não precisam estar nessa ordem," disse o pesquisador. "Um imposto mais elevado sobre o tabaco é a intervenção mais eficaz para reduzir as taxas de tabagismo e para dissuadir futuros fumantes."

"Em todo o mundo, cerca de meio bilhão de crianças e adultos com menos de 35 anos já são - ou serão em breve - fumantes, e pelos padrões atuais, poucos vão deixar de fumar," afirmou o professor Richard Peto, da Universidade de Oxford, que é coautor do estudo.


Ver mais notícias sobre os temas:

Tabagismo

Vícios

Drogas Lícitas

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.