Usina no Japão vaza radioatividade para o mar

Radiação no mar

A Tepco (Tokyo Electric Power Co.) - empresa que opera o complexo nuclear de Fukushima, no Japão - anunciou que água contaminada com radioatividade está vazando para o mar.

Os técnicos descobriram uma rachadura de 20cm na parede de concreto do poço de contenção do reator 2, que teria sido provocada pelo terremoto do dia 11 de março.

A Tepco suspeita que a rachadura esteja por trás dos altos níveis de contaminação detectados na zona costeira e já prepara uma operação para vedar o poço com concreto.

Ainda neste sábado, três semanas após o tremor e o tsunami que devastaram áreas inteiras do país, o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, entrou na área de exclusão de 20 km ao redor da usina para visitar a base que vem sendo usada por funcionários da Tepco para combater a crise nuclear.

Injeção de concreto

O vice-diretor-geral da Agência de Segurança Nuclear e Industrial do Japão, Hidehiko Nishiyama, afirmou que a Tepco pretende vedar a rachadura com uma injeção de concreto.

"Com os níveis de radiação subindo na água do mar próximo à usina, vínhamos tentando descobrir a razão, e neste contexto, essa pode ser a fonte", disse Nishiyama.

No entanto, ele disse que outras rachaduras parecidas poderiam ter aparecido no concreto e que elas precisam ser encontradas "o mais rápido possível".

A Tepco já tinha afirmado anteriormente suspeitar de que material radioativo estivesse vazando continuamente da usina, mas ainda não tinha descoberto a fonte.

Medições indicam que o ar acima da água contaminada do poço de contenção apresenta mil millisieverts de radioatividade.

Durante a sua visita à zona de desastre, Kan assegurou a população local de que o governo japonês fará de tudo para prestar-lhes apoio.

Reconstrução

"Conversei com funcionários da administração local sobre como reconstruir a indústria pesqueira, inclusive como reconstruir criadouros de peixe e crustáceos", disse.

"O governo vai fazer o máximo para apoiar estes esforços."

No entanto, um dos milhares de refugiados por causa do desastre, Ryoko Otsubo, de 60 anos, criticou a visita.

"O momento para a visita já passou. Gostaria que ele tivesse visitado este local antes. Queria que ele visse as pilhas de destroços em cima das ruas. Agora, as ruas estão limpas", disse.

Kan viajou de Tóquio a Rikuzentakata em um helicóptero militar.

Ele já tinha sobrevoado a usina nuclear no dia seguinte ao terremoto.


Ver mais notícias sobre os temas:

Contaminação

Poluição

Intoxicação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.