Vacina promete proteger contra todos vírus transmitidos pelo Aedes aegypti

Vacina contra Aedes aegypti pode prevenir contra zika, dengue e chikungunya
A tática usada pelos pesquisadores brasileiros é que as pessoas vacinadas infectem os pernilongos, matando-os ou diminuindo sua capacidade de reprodução.
[Imagem: Ministério da Saúde]

Vacina contra o pernilongo

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) estão produzindo o que pode ser a primeira vacina no mundo diretamente contra o Aedes aegypti.

"A gente conseguiu, nesse trabalho, interferir no inseto que é o transmissor de várias arborviroses, como zika, dengue e chikungunya. E, por essa razão, essa vacina é particularmente importante para o Brasil, já que os virologistas apontam para o risco iminente de chegar aqui novas arboviroses que são também transmitidas por este mosquito," afirma Rodolfo Giunchetti, pesquisador do projeto.

A equipe está aplicando ao Aedes aegypti a mesma tecnologia que eles desenvolveram contra o mosquito palha, o transmissor da leishmaniose visceral canina e humana. O grupo já possui a patente do produto.

Contaminando os pernilongos

A vacina pretende proteger as pessoas interferindo com a população do Aedes aegypti, resultando no bloqueio da transmissão dos vírus pelo mosquito.

O mecanismo deverá atuar em três etapas. Primeiramente, as pessoas serão vacinadas. (2) Essas pessoas passarão a produzir anticorpos contra o Aedes aegypti. Finalmente, (3) os mosquitos que picarem essas pessoas colocarão menos ovos na natureza, podendo inclusive morrer logo após a picada, além de perder a capacidade em transmitir arboviroses, quebrando a cadeia de transmissão.

Uma das principais vantagens, segundo os pesquisadores, é conseguir o controle das enfermidades sem a necessidade de aplicar qualquer substância química no meio ambiente, como inseticidas.

Os resultados preliminares, com testes feitos em camundongos, mostraram que a vacina interfere no ciclo de vida do mosquito, como colocar menos ovos após a alimentação no camundongo imunizado, ou ainda podem morrer.

Vacina pública

"Essa estratégia representará um avanço extraordinário para o controle de dengue, chikungunya, zika e, seja lá qual for a próxima arbovirose que chegar ao nosso país," afirma o pesquisador.

Produzir uma vacina acessível financeiramente também é uma preocupação do grupo de pesquisadores. "Quanto menor o custo, melhor, porque a nossa preocupação é disponibilizar a vacina para o Sistema Público de Saúde, favorecendo o acesso a toda população brasileira," comenta Rodolfo.

Todo o trabalho está sendo direcionado para programas governamentais de controle. Estão envolvidos no projeto, além dos pesquisadores da UFMG, o Centro de Pesquisas René Rachou, a unidade de Belo Horizonte da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a Universidade Federal de Ouro Preto e o Instituto Butantan.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vacinas

Vírus

Infecções

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2016 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.