Videogame gigante simula prevenção e tratamento de doenças epidêmicas

Videogame gigante simula prevenção e tratamento de doenças epidêmicas
Um gigantesco videogame, com 270 metros quadrados, simula crises epidêmicas, baseadas em situações reais ou fictícias, onde mais de 40 jogadores podem interagir simultaneamente.
[Imagem: Ministério da Cultura]

Videogame gigante

Um gigantesco videogame, com 270 metros quadrados, simula crises epidêmicas, baseadas em situações reais ou fictícias, onde mais de 40 jogadores podem interagir simultaneamente.

A experiência faz parte da exposição francesa Epidemik: O Impacto das Epidemias na Sociedade ao Longo dos Séculos, que será aberta ao público carioca hoje (20).

Os cenários propostos são gripe aviária em Cingapura, ataque biológico terrorista em Nova York, malária e aids na África e na Ásia e dengue no Rio de Janeiro - este especialmente desenvolvido para o Brasil, com conteúdo e iconografia preparados por técnicos e cientistas da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Aura colorida individual

A Epidemik original, montada há um ano no museu de La Cité des Sciences e de l'Industrie de la Villette, na capital francesa, recebeu até hoje mais de 300 mil visitantes, em sua maioria estudantes. Desenvolvido pela empresa Stratosphère, o jogo começa quando o visitante da exposição pisa no tabuleiro e recebe uma aura colorida individual projetada no chão, que o acompanha por toda a simulação.

A luz colorida muda à medida que o jogador adota precauções ou providências para o tratamento do seu estado de saúde, sempre orientado por informações projetadas numa tela gigante. Vinte monitores auxiliarão os participantes durante o jogo, que também é acessível a cadeirantes. Totalmente gratuita, a exposição é dirigida à população em geral, principalmente aos jovens estudantes.

Exposição multimídia de alta tecnologia

"A Epidemik faz parte do Ano da França no Brasil e é a primeira vez que é apresentada fora da França", diz a coordenadora executiva da exposição, Cristina Moscardi, da empresa Sanofi-Aventis, maior indústria farmacêutica europeia e parceira da Fiocruz na iniciativa. "É importante destacar que a exposição no Rio ocorre simultaneamente à que está montada no La Cité, e que, além da dengue, outra novidade brasileira é o filme sobre o centenário da descoberta do mal de Chagas, também exibido na exposição".

A antropóloga Gisele Capel, da Fiocruz e curadora da Epidemik, enfatiza outro aspecto: "Conseguimos montar no Brasil uma exposição multimídia de alta tecnologia, que vai capacitar técnicos brasileiros no que existe de mais avançado no mundo. As equipes francesas e brasileiras envolvidas estão numa cooperação efetiva, raramente vista em casos semelhantes".

A Epidemik já ocupa a área de mais de 1.200 metros quadrados, dividida em dois blocos, com pé direito de 6 metros. O primeiro bloco aborda a história milenar dos homens e das epidemias e faz uma retrospectiva do tema desde o período Neolítico, passando pela Antiguidade, a Idade Média e a Revolução Industrial, até os dias atuais.

Outras atrações

A proposta é discutir as condições que favoreceram o surgimento das epidemias, os meios que foram utilizados para combatê-las e o impacto que tiveram sobre a vida das populações. Obras de artistas franceses servem de fio condutor para traçar uma linha do tempo e situar as diferentes epidemias ao longo dos séculos.

Obras brasileiras do acervo da Biblioteca Nacional, do Museu do Exército, da Fiocruz e do Instituto Butantan destacam momentos marcantes da história das epidemias no país. O videogame coletivo é o destaque do segundo bloco.

A exposição Epidemik: O Impacto das Epidemias na Sociedade ao Longo dos Séculos estará aberta ao público, com entrada franca, entre 20 de outubro e 24 de novembro, no Centro Cultural da Ação da Cidadania, à Avenida Barão de Tefé, 75, na Saúde, na zona portuária do Rio de Janeiro. O horário de visitação é de 8h30m às 19h30m.


Ver mais notícias sobre os temas:

Diversão

Epidemias

Relacionamentos

Ver todos os temas >>   


  

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2017 www.diariodasaude.com.br. Conteúdo publicado sob licença de www.sciencetolife.com. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.