Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/01/2013

Vírus é filmado infectando uma célula pela primeira vez

Redação do Diário da Saúde
Vírus é filmado infectando uma célula pela primeira vez
O vírus T7 possui seis "pernas" presas na base de sua cabeça, que ele usa para se locomover sobre a superfície da célula que vai infectar. [Imagem: Hu et. al. 2013/Science Express]

Robô vivo

Cientistas conseguiram filmar pela primeira vez um vírus invadindo uma célula.

A descoberta do mecanismo de infecção é importante para que os cientistas descubram formas de evitá-la.

Ian Molineux e seus colegas da Universidade do Texas (EUA) revelaram detalhes das mudanças na estrutura do vírus T7 conforme ele infectava uma bactéria E. coli.

O processo lembra um robô atuando na execução de uma tarefa, embora um robô capaz de encontrar a melhor maneira de fazê-lo.

Como um vírus infecta uma célula

Para infectar uma célula, um vírus deve primeiro encontrar uma célula adequada, e então inserir nela seu material genético.

Após encontrada a célula, o processo é muito rápido.

O vírus estende uma ou duas de suas seis fibras externas, que lembram antenas, mas que normalmente ficam enroladas na base de sua "cabeça".

O vírus usa essas fibras como se fossem pernas, que ele usa para se locomover sobre a superfície da célula, em busca do melhor ponto para a invasão.

Encontrado o ponto ótimo, o vírus passa por uma alteração estrutural, conforme ele injeta algumas de suas proteínas através da membrana externa da célula, criando um caminho para passagem de seu material genético.

Quando o DNA viral é passado para a célula, o caminho de proteínas se rompe, permitindo que a célula conserte sua membrana.

Vírus é filmado infectando uma célula pela primeira vez
Acima as imagens do processo de infecção do vírus real. Embaixo, um esquema mostrando o que acontece em cada etapa. [Imagem: Hu et. al./Science Express]

Vírus que andam

"Embora muitos desses detalhes sejam específicos para o T7, o processo como um todo muda completamente nosso entendimento de como um vírus infecta uma célula," disse o Dr. Molineux.

Por exemplo, os pesquisadores agora sabem que a maioria das fibras é normalmente ligada à cabeça do vírus, em vez de serem "antenas" estendidas espalhadas pela superfície, como se pensava.

E que essas fibras estão em um equilíbrio dinâmico entre estados recolhido e estendido também é algo novo.

Molineux afirmou que a ideia de que os fagos "andam" sobre a superfície celular foi proposta anteriormente, mas esta é a primeira evidência experimental de que é exatamente isso que acontece.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Infecções

Nanotecnologia

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?