Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

18/04/2016

Antibióticos não promovem troca de genes resistentes em bactérias

Redação do Diário da Saúde
Antibiotics don't promote swapping of resistance genes
Em vez de trocar genes para aumentar a resistência, as bactérias parecem ser destruídas, emergindo uma nova cepa que adquiriu a resistência ao medicamento. [Imagem: Universidade de Duke]

Compartilhamento de genes

Com resultados que desafiam tudo o que os cientistas vinham anunciando nos últimos anos, novos resultados indicam que, com exceção de alguns poucos exemplos específicos, os antibióticos não promovem a propagação da resistência bacteriana através da troca genética.

Embora o uso excessivo dos antibióticos esteja, inegavelmente, no coração da crescente crise global de resistência bacteriana, o novo estudo sugere que a culpa é da dinâmica populacional das bactérias, e não de um maior compartilhamento genético.

Isso tem implicações importantes para a definição dos protocolos de tratamento com antibióticos para evitar a propagação da resistência bacteriana e do desenvolvimento de novos antibióticos.

"É extremamente tentador supor que os antibióticos estejam promovendo a disseminação da resistência aumentando a taxa na qual as bactérias partilham genes resistentes umas com as outras, mas os nossos estudos mostram que muitas vezes elas não compartilham," disse Lingchong You, da Universidade Duke e principal autor do novo estudo.

Conjugação genética

As bactérias podem partilhar DNA através de um processo chamado de conjugação, que permite que genes úteis se espalhem rapidamente entre indivíduos e até mesmo entre espécies.

Como o número de bactérias resistentes aos antibióticos aumenta quando os antibióticos não são mais capazes de matá-las, os cientistas presumiram que os antibióticos aumentam a quantidade de permutação genética.

Mas Lingchong levantou a hipótese de que talvez os medicamentos estivessem matando as duas linhagens "pais" e permitindo que uma nova cepa que acaba de adquirir a resistência prospere em seu lugar.

"Estudos anteriores não foram capazes de testar essas duas ideias separadamente, mas o nosso trabalho as dissociou," disse o professor Allison Lopatkin, coautor do trabalho. "Mostramos ao nível de células [bacterianas] individuais que a troca de genes de resistência não é influenciada em nada pelos antibióticos, o que está em contraste com a literatura científica."

Emergência

As taxas de troca de genes em cada ensaio mantiveram-se as mesmas e, em alguns casos, de fato diminuíram ligeiramente conforme a concentração de antibióticos aplicados aumentava.

"Parece que, quando os antibióticos são aplicados, a troca de DNA já ocorreu e continua a ocorrer," disse Lingchong. "Dependendo das doses, as drogas podem fazer com que as bactérias recém-resistentes surjam como vencedoras. Quando isso ocorre, a nova cepa é muito mais prevalente do que antes se os testes forem executados depois de algum crescimento da nova estirpe."


Ver mais notícias sobre os temas:

Bactérias

Medicamentos

Genética

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Cientistas dizem ter descoberto cura definitiva para alcoolismo

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?