Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

15/07/2011

É possível esquecer fatos intencionalmente

Redação do Diário da Saúde

Esquecimento controlado

A suposição de que os seres humanos podemos controlar e esquecer intencionalmente memórias indesejáveis tem sido controversa desde que Freud propôs a ideia, no início do século 20.

Agora, o psicólogo Gerd Thomas Waldhauser, da Universidade de Lund, na Suécia, fez um estudo com neuroimagens que apoia a ideia de que somos capazes de controlar aquilo que esquecemos.

Segundo o pesquisador, isto ocorre da mesma forma como podemos controlar nossos impulsos motores - por exemplo, podemos rapidamente instruir o cérebro a não tentar pegar um cacto que está caindo de uma mesa.

Vantagens de esquecer

Waldhauser aponta várias situações em que o esquecimento poderia ser útil.

Pessoas que sofrem de depressão muitas vezes realimentam pensamentos negativos que, se esquecidos, poderiam ajudar o indivíduo a escapar de sua condição.

A mesma coisa vale para as pessoas com estresse pós-traumático. O trauma torna difícil para a pessoa afetada agir racionalmente e resolver sua situação.

Riscos de esquecer

Mas as possíveis consequências de uma repressão deliberada de memórias ainda não estão claramente estabelecidas.

"Sabemos que os sentimentos 'esquecidos' ou 'reprimidos' muitas vezes se manifestam como reações fisiológicas", diz Waldhauser, que tem o cuidado de salientar que os voluntários foram treinados para esquecer informações neutras em um ambiente de laboratório controlado.

Além disso, o treinamento para esquecer um evento traumático seria mais complexo do que os experimentos agora realizados.

Esquecimento quase definitivo

Os testes em ambiente de laboratório, onde os voluntários praticavam o esquecimento, medições de eletroencefalografia mostraram que a tentativa de controlar a memória ativa as mesmas partes do cérebro ativadas quando se tenta conter um impulso motor.

Logo, conclui o pesquisador, assim como podemos praticar restrições aos nossos impulsos motores, também podemos treinar para reprimir memórias, ou seja, para esquecer.

A inibição da memória ocorre depois de algumas horas de exercícios. E quanto mais a informação é suprimida, mais difícil se torna recuperá-la posteriormente.


Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Emoções

Memória

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Ultrassom no 1º trimestre de gravidez pode agravar autismo

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão