Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

18/07/2012

Ejaculação precoce está ligada à ansiedade em 75% dos casos

Com informações da SES

Insatisfação

Cerca de 500 pacientes com disfunções sexuais procuram todos os meses o Centro de Referência da Saúde do Homem, em São Paulo.

Entre eles, 25% procura tratamento para a ejaculação precoce.

A ejaculação precoce ocorre quando o homem chega ao auge da relação em um curto espaço de tempo e com poucos estímulos sexuais.

Este "descontrole" pode acontecer antes mesmo da penetração, durante as preliminares, e causa constrangimento e insatisfação ao casal.

Ejaculação precoce

A ejaculação precoce é mais comum em jovens e no encontro com novos parceiros - quando não há intimidade entre as duas pessoas.

A ansiedade intensa que acomete o homem antes do sexo, principalmente pelo medo de não corresponder às expectativas da parceira, é um dos principais vilões do bom desempenho sexual.

Outra característica em comum entre os pacientes que mais se queixam do problema é a timidez excessiva.

"A insegurança em relação à própria aparência, e muitas vezes a inexperiência, geram grande pressão psicológica no homem. A consequência deste 'transtorno ansioso' é o aceleramento da ejaculação", explica o médico coordenador do serviço de urologia Cláudio Murta.

Tempo de uma relação sexual

Quando não ligada a causas emocionais, a ejaculação precoce pode ser decorrente de fatores orgânicos como distúrbios neurológicos.

O diagnóstico do distúrbio e a indicação de tratamento devem ser realizados por um especialista, que vai avaliar a frequência com que estes episódios se repetem e o quanto eles influenciam na satisfação do casal.

O Dr. Murta acrescenta que o uso de medicamentos ou de cremes que prometem retardar a ejaculação, indicados por amigos ou disponíveis na internet, não são aconselhados e oferecem riscos a saúde.

Cientistas norte-americanos estão testando uma nova abordagem de tratamento contra a ejaculação precoce, baseada em calor.

Sobre o tempo "normal" de uma relação sexual, o estudo mais recente sobre o tema, feito por cientistas dos EUA e do Canadá, mostra que uma relação sexual satisfatória para o casal dura entre 3 e 13 minutos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Sexualidade

Saúde do Homem

Relacionamentos

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Vacina contra dengue pode fazer mais mal que bem em alguns locais

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão

Carne vermelha todo dia faz mal? Especificamente que mal?