Ver:

 Temas
 Enfermidades





RSS Diário da Saúde

Twitter do Diário da Saúde

03/06/2014

Ser bilíngue aumenta a inteligência

Com informações da BBC

Falar uma segunda língua aumenta a inteligência, a fluência verbal e de leitura, mesmo quando o idioma é aprendido na idade adulta.

As conclusões são de uma equipe liderada pelo professor Thomas Bak, da Universidade de Edimburgo, na Escócia.

O estudo incluiu a comparação de testes de inteligência de 262 pessoas, sendo que o primeiro teste foi feito quando essas pessoas tinham 11 anos de idade.

O mesmo grupo, agora com mais de 70 anos, realizou novos testes, e os pesquisadores analisaram o estado de suas habilidades cognitivas.

Todos os participantes disseram ser capazes de se comunicar em pelo menos uma outra língua além do inglês.

Desse grupo, 195 aprenderam a segunda língua antes dos 18 anos de idade, e 65 aprenderam depois dos 18.

O que vem primeiro?

Uma das questões levantadas foi se as pessoas eram mais inteligentes e por isso aprenderam uma segunda língua ou, se por aprenderem um segundo idioma, tornaram-se mais inteligentes.

Bak disse que o padrão revelado pelo estudo era "significativo" e que as melhorias na atenção, foco e fluência não podiam ser explicadas pela inteligência original, constatada a partir dos testes feitos na infância.

"Esses resultados são de relevância prática considerável. Milhões de pessoas no mundo adquirem sua segunda língua mais tarde na vida. Nosso estudo mostra que ser bilíngue, mesmo quando a segunda língua é aprendida na idade adulta, pode ser benéfico para o cérebro em envelhecimento," concluiu ele.

Outros estudos já haviam concluído que falar dois idiomas aguça o cérebro e melhora a atenção, além de retardar os sintomas de Alzheimer.


Ver mais notícias sobre os temas:

Educação

Memória

Mente

Ver todos os temas

Mais lidas na semana:

O que é melhor: Meditação ou Férias?

Os muitos mitos sobre as Dores nas Costas

Carne e barbatana de tubarão contêm altos níveis de neurotoxinas

Dor de cabeça: Conheça aquelas que exigem tratamento

Medicamento desenvolvido no Brasil combate origem da hipertensão