15/02/2022

Camu-camu: Fruta amazônica pode virar tratamento contra o câncer

Redação do Diário da Saúde
Camu-camu: Fruta amazônica pode virar tratamento contra o câncer
A pequena fruta do camu-camu cresce nas várzeas dos rios, principalmente na época das cheias. É uma grande fonte de vitamina C, superando o teor da acerola em 20 vezes e o do limão em 100 vezes.
[Imagem: Ronaldo Rosa/Embrapa]

Camu-camu

Pesquisadores canadenses descobriram que a fruta brasileira camu-camu (Myrciaria dubia), já reconhecida por seus efeitos protetores contra obesidade e diabetes, também pode ajudar no tratamento do câncer.

A castalagina, um polifenol presente no fruto amazônico, aumenta a eficácia da imunoterapia, modificando o microbioma dos pacientes - as pesquisas até agora foram feitas em cobaias.

"Com esta pesquisa, realizada com nossos colegas da Universidade Laval e da Universidade McGill, provamos que a castalagina, um polifenol que atua como prebiótico, modifica o microbioma intestinal e melhora a resposta à imunoterapia, mesmo para cânceres resistentes a esse tipo de tratamento," disse o Dr. Bertrand Routy, da Universidade de Montreal.

"Nossos resultados abrem caminho para ensaios clínicos que usarão a castalagina como complemento de medicamentos chamados inibidores de pontos de verificação imunológicos em pacientes com câncer," acrescentou sua colega Meriem Messaoudene.

Não há pesquisadores brasileiros envolvidos no trabalho.

Busca por novas abordagens

Nos últimos anos, os inibidores de pontos de verificação imunológico trouxeram uma esperança renovada de que o sistema imunológico dos pacientes poderia superar a resistência do câncer, revolucionando as terapias direcionadas ao melanoma e ao câncer de pulmão. Esse tipo de imunoterapia ativa o sistema imunológico para matar as células cancerosas.

Apesar dessas esperanças, apenas uma minoria dos pacientes tem respostas duradouras à imunoterapia que se assemelhe a uma cura. Por isso os cientistas voltaram aos laboratórios em busca de novas abordagens terapêuticas.

O objetivo agora é transformar um microbioma não saudável em um saudável, a fim de fortalecer o sistema imunológico. Entre essas estratégias está uma que emprega prebióticos, compostos químicos que podem melhorar a composição do microbioma intestinal.

"Nós descobrimos que a castalagina se liga a uma bactéria intestinal benéfica, a Ruminococcus bromii, e promove uma resposta anticancerígena," disse o Dr. Routy.

A descoberta será testada em breve em pacientes graças ao lançamento do primeiro ensaio clínico combinando o fruto do camu-camu com os inibidores de pontos de verificação imunológico. O recrutamento de 45 pacientes com câncer de pulmão ou melanoma começará este mês.

Checagem com artigo científico:

Artigo: A natural polyphenol exerts antitumor activity and circumvents anti-PD-1 resistance through effects on the gut microbiota
Autores: Meriem Messaoudene, Reilly Pidgeon, Corentin Richard, Mayra Ponce, Khoudia Diop, Myriam Benlaifaoui, Alexis Nolin-Lapalme, Florent Cauchois, Julie Malo, Wiam Belkaid, Stephane Isnard, Yves Fradet, Lharbi Dridi, Dominique Velin, Paul Oster, Didier Raoult, Francois Ghiringhelli, Romain Boidot, Sandy Chevrier, David T Kysela, Yves V Brun, Emilia Liana Falcone, Genevieve Pilon, Florian Plaza Onate, Oscar Gitton-Quent, Emmanuelle Le Chatelier, Sylvere Durand, Guido Kroemer, Arielle Elkrief, Andre Marette, Bastien Castagner, Bertrand Routy
Publicação: Cancer Discovery
DOI: 10.1158/2159-8290.CD-21-0808
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Plantas Medicinais

Medicamentos Naturais

Câncer

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.