15/01/2019

Mundos e amigos imaginários associados com criatividade das crianças

Redação do Diário da Saúde
Mundos e amigos imaginários associados com criatividade das crianças
Crianças que têm amigos imaginários ou criam mundos paralelos não devem ser objeto de preocupação, diz psicóloga.
[Imagem: CC0 Creative Commons/Pixabay]

Mundos imaginários infantis

Crianças que criam mundos paralelos imaginários, sozinhos ou com amigos, são mais comuns do que se acreditava até agora.

Em um projeto destinado a investigar a dinâmica desse comportamento entre crianças de 8 a 12 anos, pesquisadores descobriram que cerca de 17% delas descreviam mundos imaginários com complexidades muitas vezes profundas.

Ao contrário de estudos anteriores, os psicólogos se concentraram agora em crianças na faixa etária mais frequentemente associada a esse fenômeno pouco explorado e que causa muita preocupação entre os pais e educadores.

Ocorre que a criação desses "paracosmos", que é como os psicólogos chamam esses mundos imaginários, não é nada para se preocupar.

"É uma coisa positiva associada à criatividade e à narrativa, e não é particularmente raro. São crianças que elaboram histórias muito complexas de que realmente gostam e que muitas compartilham com os outros," disse Marjorie Taylor, professora de psicologia na Universidade de Oregon, que estuda paracosmos e amigos imaginários das crianças há cerca de 25 anos.

Amigos imaginários e paracosmos

Os psicólogos acreditavam que esses mundos imaginários eram um fenômeno raro, mas as pesquisas iniciais sobre o assunto foram extraídas de memórias adultas sobre sua infância. Com o tempo, a professora Taylor questionou essa abordagem ao compilar evidências crescentes sobre a prevalência de crianças que criam amigos imaginários e mundos paralelos.

Amigos imaginários, disse ela, surgem em crianças menores, enquanto os paracosmos vêm depois. Taylor encontrou uma associação significativa entre a criação de amigos imaginários e o desenvolvimento de paracosmos, mas isso nem sempre se traduz em que os amigos imaginários fazem parte dos mundos paralelos posteriores.

Nem a compreensão verbal e nem o gênero mostraram uma relação significativa com os dois fenômenos.

Embora os mundos imaginários variem amplamente em conteúdo, todos incluem detalhes sobre um ambiente (florestas, lagos, cavernas etc.), os habitantes (bandidos, duendes, animais etc.) e componentes místicos, como uma fonte de onde jorra mel.

Criatividade e inibição

As crianças que desenvolveram paracosmos também não diferiram das outras crianças na compreensão verbal ou na memória de trabalho, mas tiveram mais dificuldade com as tarefas de controle inibitório, sugerindo uma ligação entre criatividade e menor inibição.

"Acreditávamos que os paracosmos fossem uma coisa privada," comentou Taylor. "Surpreendentemente, nem sempre esse é o caso. Pode ser uma atividade muito social. Muitas vezes, descobrimos que muitas crianças se juntam na construção dos mundos paralelos."

Pode ser, comentou ela, que as crianças mais criativas sejam aquelas capazes de alternar entre concentrar sua atenção e um modo de pensar mais aberto.


Ver mais notícias sobre os temas:

Mente

Cuidados com a Família

Educação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.