06/10/2020

Artrite reumatoide precisa ser dividida entre tipo 1 e tipo 2, dizem médicos

Redação do Diário da Saúde
Artrite reumatoide precisa ser dividida entre tipo 1 e tipo 2, dizem médicos
Recentemente foi desenvolvido um exame que indica se remédio contra artrite reumatoide vai funcionar.
[Imagem: Wikipedia]

Autoanticorpos

Para a maioria dos pacientes com artrite reumatoide (AR), os resultados a longo prazo só melhoram para aqueles que possuem autoanticorpos.

Esta descoberta vem somar-se a um crescente corpo de evidências de que a artrite reumatoide com e sem autoanticorpos são duas condições distintas, defendem Xanthe Matthijssen e seus colegas da Universidade de Leiden (Países Baixos).

A artrite reumatoide é o tipo mais comum de artrite autoimune, causada quando o sistema imunológico ataca as células saudáveis no revestimento das articulações.

Na última década, estudos mais detalhados vêm acentuando que existem grupos de pacientes com resultados muito diferentes.

Melhoria só para alguns

O professor Matthijssen e seus colegas acompanharam 1.285 pacientes com AR (artrite reumatoide) entre 1993 e 2016, coletando dados anuais sobre os sintomas, tratamentos, estado de autoanticorpos, incapacidade e mortalidade.

No total, 823 pacientes tinham AR autoanticorpo-positiva e 462 pacientes tinham AR autoanticorpo-negativa. Em ambos os grupos, a atividade da doença diminuiu significativamente ao longo do tempo.

As taxas de remissão sustentadas sem uso de medicamento aumentaram, conforme uma nova estratégia de tratamento que se tornou comum entre 2006 e 2010, em pacientes com AR autoanticorpo-positivo, mas não para os autoanticorpo-negativos. Além disso, as taxas de mortalidade e incapacidade funcional diminuíram com ajustes no tratamento apenas em pacientes com autoanticorpos positivos.

Artrite reumatoide tipo 1 e tipo 2

"A desconexão entre a melhora na atividade da doença e a melhora subsequente nos resultados de longo prazo na AR sem autoanticorpos sugere que a patogênese subjacente da AR com e sem autoanticorpos é diferente," escreveram os autores. "Propomos que é hora de dividir formalmente a AR em tipo 1, com autoanticorpos, e tipo 2, sem autoanticorpos, na esperança de que isso leve a um tratamento estratificado em AR autoanticorpo-positivo e autoanticorpo-negativo."

"Nos últimos decênios, a pesquisa em artrite reumatoide concentrou-se amplamente no subconjunto de autoanticorpos-positivos. Mais pesquisas em AR autoanticorpos-negativos são urgentemente necessárias para identificar métodos para também melhorar seus resultados a longo prazo," reforçou o Dr. Matthijssen.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Enhanced treatment strategies and distinct disease outcomes among autoantibody-positive and -negative rheumatoid arthritis patients over 25 years: A longitudinal cohort study in the Netherlands
Autores: Xanthe M. E. Matthijssen, Ellis Niemantsverdriet, Tom W. J. Huizinga, Annette H. M. van der Helm-van Mil
Publicação: PLOS Medicine
DOI: 10.1371/journal.pmed.1003296
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Ossos e Articulações

Sistema Imunológico

Tratamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2020 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.