13/07/2020

As pessoas são boas - mas os cientistas não compreendem o porquê

Redação do Diário da Saúde
As pessoas são boas - mas os cientistas não compreendem o porquê
Depois de mais de um século defendendo a competição e o ganho pessoal, os darwinistas continuam sem compreender a bondade.
[Imagem: Pixabay]

Bondade versus competição

A aplicação direta - e um tanto indiscriminada - das teorias evolucionárias ao ser humano, sobretudo no aspecto comportamental, vez por outra gera conclusões que desafiam o mais simples bom senso.

Por isso, pesquisadores japoneses decidiram analisar como a norma social da reciprocidade é adotada na sociedade humana.

Como já se poderia prever, os resultados contestam as previsões teóricas feitas por uma corrente mais estreita do darwinismo, que pretende ver competição e vitória do mais forte em cada aspecto da vida.

As observações mostram que as pessoas podem se envolver em comportamento cooperativo, mesmo entre estranhos, sem expectativa direta de benefício pessoal. Para compatibilizar isso com suas teorias evolucionário-biológicas, os cientistas consideram que esse comportamento cooperativo só seria sustentado se houvesse um mecanismo para garantir que os benefícios sejam retornados aos indivíduos que cooperam - eles chamam esse mecanismo de reciprocidade indireta.

Sempre seguindo a teoria, a reciprocidade indireta dependeria de normas sociais que distinguem o bem do mal. Muitas pesquisas têm buscado normas que desencorajam a cooperação direcionada a pessoas consideradas más. Para manter sua teoria de pé, os cientistas têm proposto que "não cooperar com pessoas más é uma coisa boa", o que eles chamam de deserção justificada, que seria necessária para "estabilizar o comportamento cooperativo".

Isso ocorreria porque - sempre dentro da teoria biológico-evolucionista - se a deserção contra uma pessoa má não for justificada, aqueles que não cooperaram com uma pessoa que não coopera (uma pessoa má) serão avaliados como ruins, e a não cooperação substituiria a cooperação. É claro que os neo-darwinistas bem que gostariam de eliminar a cooperação da agenda, mas a realidade não lhes permite porque a observação ainda fala mais alto que as teorias.

Precisamos melhorar as teorias

A equipe decidiu testar tudo isso realizando várias experimentos para responder se a "deserção justificada" é mesmo justificada e analisar as normas que as pessoas adotam em suas vidas diárias.

Os resultados mostraram que, ao contrário de todas aquelas previsões teóricas acima, as pessoas têm uma atitude neutra em relação à deserção justificada, evitando julgá-la como boa ou ruim.

Na verdade, para desespero dos neo-darwinistas, as pessoas julgaram a "cooperação com uma pessoa má (cooperação injustificada)" como algo bom - algo que intriga os cientistas, mas que não soa nada estranho para quem conhece conceitos como altruísmo, magnanimidade, indulgência, bondade e tantos outros.

"Nossos resultados indicam a necessidade de reconsiderar a justificação da 'deserção justificada' na evolução da cooperação," resumiu laconicamente o professor Hitoshi Yamamoto, da Universidade Rissho.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Justified defection is neither justified nor unjustified in indirect reciprocity
Autores: Hitoshi Yamamoto, Takahisa Suzuki, Ryohei Umetani
Publicação: PLoS ONE
DOI: 10.1371/journal.pone.0235137
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Sentimentos

Relacionamentos

Felicidade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.