06/09/2010

Microaplicador de medicamento substitui injeções sem dor

Redação do Diário da Saúde
Microaplicador de medicamento substitui seringa sem dor
O aplicador usa uma bomba acionada pelo calor do corpo e microagulhas que mal penetram a pele, não causando dor. A aplicação de uma dose de medicamento dura de 20 a 30 segundos.
[Imagem: Purdue University photo/Birck Nanotechnology Center]

Fim das injeções

Pesquisadores da Universidade de Purdue, nos Estados Unidos, desenvolveram um novo tipo de microbomba que permite a criação de um novo tipo de aplicador de medicamentos, baseado em matrizes de microagulhas.

Embora os curativos medicamentosos sejam usados há décadas para liberar fármacos pela pele, o novo sistema ativo permitirá a aplicação de uma gama de medicamentos muito maior, ampliando o uso do recurso e evitando as tradicionais injeções.

Os atuais curativos "transdérmicos" têm seu uso limitado a substâncias feitas de moléculas pequenas e hidrofóbicas, que podem ser absorvidas através da pele.

É o caso, por exemplo, da nicotina, incluída nos adesivos que ajudam a parar de fumar. Recentemente, pesquisadores começaram a testar vacinas em curativos adesivos, para evitar a dor da injeção.

Curativos com remédios

"Há apenas um punhado de drogas que podem atualmente ser administradas por meio dos emplastros," diz o Dr. Babak Ziaie, que desenvolveu a microbomba.

"A maioria dos novos medicamentos são feitos de moléculas grandes que não atravessam a pele. E um monte de drogas, como as usadas no tratamento de câncer e doenças autoimunes, não podem ser tomadas por via oral porque elas não são absorvidas pelo sangue através do sistema digestivo," explica ele.

O novo aplicador, dotado de uma matriz de microagulhas minúsculas, é muito mais versátil, podendo aplicar uma grande quantidade de medicamentos. E, como mal penetram na pele, as microagulhas não causam dor.

"É como um curativo - você o usa e depois retira e joga fora," disse Ziaie.

Microbomba sem bateria

Uma abordagem é usar agulhas que se dissolvam na pele, como as que estão sendo usadas no teste com vacinas.

Mas o Dr. Ziaie propõe um sistema ativo, segundo ele mais versátil e com capacidade de injetar uma quantidade de medicamentos maior e em velocidade controlada.

Para isso é necessário uma bomba, mas pequena o suficiente para funcionar em conjunto com agulhas com um diâmetro de 20 micrômetros, aproximadamente um quarto da espessura de um cabelo humano.

"Nós desenvolvemos uma bomba simples, que é ativada pelo toque do calor do dedo e não requer bateria," disse Ziaie.

Aplicação pelo calor

A bomba contém um líquido especial muito volátil, que ferve à temperatura do corpo. Assim, apenas o calor do toque de um dedo faz com que o líquido rapidamente se transforme em vapor, exercendo pressão suficiente para forçar o medicamento através das microagulhas.

Os primeiros testes mostraram que a dose completa de medicamento pode ser aplicada em apenas 20 ou 30 segundos, sem nenhuma dor.

O líquido que faz a pressão não entra em contato com a pele do paciente. Ele fica contido em uma bolsa, separada do remédio por uma fina membrana feita de um polímero parecido com borracha, chamado polidimetilsiloxano.

Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Dores Crônicas

Cuidados com a Pele

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.