02/12/2021

Por que é moralmente errado comercializar o corpo? Depende de se você é progressista ou conservador

Redação do Diário da Saúde
Por que é moralmente errado comercializar o corpo? Depende de se você é progressista ou conservador
Quais fatores influenciam a infidelidade?
[Imagem: Hermann Traub/Pixabay]

Mercado do corpo

Legisladores em todo o mundo estão debatendo como os "mercados corporais" (por exemplo, prostituição, barriga de aluguel comercial ou comércio de rins, plasma sanguíneo, esperma, óvulo e cabelo) devem ser regulamentados.

Por exemplo, os legisladores do estado de Nova York (EUA) estão para decidir se descriminalizarão a prostituição, enquanto os legisladores dos Países Baixos estão considerando aumentar as restrições à prostituição.

Nas mídias sociais, como se poderia esperar, as opiniões vão aos extremos, na contramão de qualquer esforço em busca de uma solução ponderada para a questão.

Tendo isso em vista, pesquisadores das universidades Virgínia Tech e Cornell (EUA) partiram para tentar entender as razões que as pessoas alegam para se opor ou apoiar esses mercados, e como essas argumentações diferem entre pessoas que se intitulam progressistas (ou liberais) e conservadores.

Motivações muito diferentes

A equipe descobriu que tanto progressistas quanto conservadores consideram os mercados corporais moralmente errados; no entanto, eles o fazem por motivos diferentes.

"Mostramos que os progressistas consideram os mercados corporais errados porque podem ser exploradores. Ou seja, os progressistas acreditam que a comercialização nesses mercados pode causar danos a pessoas vulneráveis e aumentar a desigualdade arraigada na sociedade. Eles acham que os mercados corporais podem se tornar outro meio para os compradores ricos explorarem os vendedores pobres, causando a estes danos físicos, psicológicos e econômicos sistemáticos," explicou o pesquisador Shreyans Goenka.

"Os conservadores consideram os mercados corporais errados porque violam a santidade do corpo humano. Ou seja, os conservadores acreditam que a comercialização nesses mercados atribui um valor monetário ao corpo humano e o reduz a qualquer outra mercadoria. Eles acreditam que a inerente santidade do corpo humano divinamente criado é diminuída ou corrompida quando ele é comprado ou vendido," acrescentou o professor Stijn Van Osselaer.

Quem assina cada petição

Segundo a equipe, essas diferentes objeções morais afetam os efeitos das campanhas de persuasão destinadas a influenciar os eleitores.

Especificamente, os progressistas mostraram-se mais propensos a assinar uma petição contra a prostituição quando ela destacava as questões da exploração econômica e social.

Já os conservadores se mostraram mais propensos a assinar uma petição contra a prostituição quando ela destacava a violação e as preocupações com a santidade.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Why is it Wrong to Sell Your Body? Understanding Liberals vs. Conservatives Moral Objections to Bodily Markets
Autores: Shreyans Goenka, Stijn M.J. van Osselaer
Publicação: Journal of Marketing
DOI: 10.1177/00222429211046936
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Ética

Relacionamentos

Gênero

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.