11/07/2022

Por que o remdesivir funciona apenas para alguns pacientes com covid-19?

Redação do Diário da Saúde
Por que o remdesivir funciona apenas para alguns pacientes com covid-19?
A inalação de uma solução de sal inibe a replicação do coronavírus.
[Imagem: Rafael R. G. Machado et al. - 10.1021/acsptsci.1c00080]

Só funciona para alguns

Em outubro de 2020, a agência norte-americana FDA aprovou o uso emergencial do medicamento antiviral remdesivir para tratar a covid-19.

Finalmente, após meses de medo e incerteza, parecia haver esperança contra a doença que havia paralisado o mundo.

O remdesivir ajuda a combater a covid-19 impedindo que o vírus se multiplique ainda mais, interrompendo efetivamente seu ciclo de vida.

No entanto, surgiu um problema curioso: O medicamento não funcionava o tempo todo. Muitos pacientes em suporte de oxigênio continuaram a piorar apesar do tratamento com remdesivir, sugerindo que o medicamento era eficaz apenas em alguns pacientes.

Por que isso aconteceu, ou quais fatores tornaram alguns pacientes mais responsivos ao remdesivir do que outros, permaneceu um mistério.

Remdesivir contra covid-19

Para ajudar a lidar com o problema, a equipe da professora Lisa Ng, do Instituto A*STAR de Doenças Infecciosas (Cingapura), começou a procurar marcadores imunológicos importantes que pudessem ajudar os médicos a identificar pacientes para os quais o tratamento com remdesivir seria bem-sucedido.

Os pesquisadores coletaram amostras de plasma de 28 pacientes com covid-19 grave, que foram tratados com remdesivir. Aqueles cujo estado de saúde não se deteriorou o suficiente para precisar de suporte de oxigênio foram considerados respondedores ao tratamento.

O remdesivir mostrou-se eficaz em 21 dos 28 pacientes. Quando Lisa e sua equipe mediram os níveis de marcadores de resposta imunológica desse grupo, antes e após o tratamento, eles descobriram que os respondedores tinham níveis mais altos de células auxiliares do tipo 2 (Th2) do que as células auxiliares do tipo 1 (Th1).

Esse resultado mostrou que o equilíbrio entre Th1 e Th2 é um potencial indicador dessa resposta ao remdesivir, abrindo caminho para um exame prévio para selecionar os pacientes que possam se beneficiar do medicamento.

"Embora a função exata do Th2 na covid-19 grave não seja clara, sabe-se que ele tem um papel vital na redução da inflamação em outros distúrbios pulmonares," explicou Lisa. "Os respondedores tiveram uma resposta Th2 mais alta, indicando que o tratamento com remdesivir está funcionando e reduzindo sua inflamação hiperativa."

Adição de anti-inflamatórios

Os pesquisadores descobriram outras citocinas associadas ao Th2 em níveis elevados nos pacientes que responderam ao remdesivir, indicando que o Th2 e suas vias relacionadas desempenham um papel importante na eficácia do medicamento.

Enquanto isso, os não respondedores mostraram-se mais propensos a ter inflamação hiperativa e incontrolável que nem mesmo o remdesivir poderia tratar, sugerindo que a adição de agentes anti-inflamatórios ao remdesivir poderia ser uma estratégia de tratamento promissora.

No entanto, Lisa e a equipe enfatizaram que são necessárias mais pesquisas antes que diretrizes definitivas de tratamento possam ser extraídas desses resultados.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Differential cytokine responses in hospitalized COVID-19 patients limit efficacy of remdesivir
Autores: Yi-Hao Chan, Barnaby E. Young, Siew-Wai Fong, Ying Ding, Yun Shan Goh, Rhonda Sin-Ling Chee, Seow-Yen Tan, Shirin Kalimuddin, Paul A. Tambyah, Yee-Sin Leo, Lisa F. P. Ng, David Chien Lye, Laurent Renia
Publicação: Frontiers in Immunology
Vol.: 12, 680188
DOI: 10.3389/fimmu.2021.680188
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos

Sistema Imunológico

Exames

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.