15/07/2021

Diferenças entre neurônios de humanos e de cobaias comprometem pesquisas científicas

Redação do Diário da Saúde
Diferenças entre neurônios de humanos e de cobaias compromete pesquisas científicas
Os astrócitos limpam as sinapses para manter a plasticidade do cérebro.
[Imagem: Jiwen Li et al. - 10.1038/s41467-021-24232-3]

Neurônios de humanos e neurônios de camundongos

Ao compararem as células cerebrais conhecidas como astrócitos em humanos e em camundongos, cientistas descobriram que os astrócitos dos camundongos são mais resistentes ao estresse oxidativo, um desequilíbrio que parece estar por trás de muitos distúrbios neurológicos.

Embora os camundongos e ratos sejam modelos de laboratório usados no mundo toda na pesquisa de doenças neurológicas, os resultados dos estudos nesses roedores quase nunca são aplicáveis aos humanos.

Na verdade, mais de 90% dos candidatos a medicamentos que, nos animais, se mostraram promissores para distúrbios neurológicos, acabaram falhando quando testados em humanos.

Essa discrepância se deve, ao menos em parte, à falta de conhecimento sobre as diferenças nos astrócitos e em outras células cerebrais entre as duas espécies.

Astrócitos

Os astrócitos são cruciais para o desenvolvimento e o funcionamento do cérebro e desempenham um papel importante nos distúrbios neurológicos que, no entanto, não são totalmente compreendidos. Lesões ou infecções fazem com que os astrócitos passem de um estado de repouso para um estado reativo, no qual podem ajudar a reparar o cérebro, mas também podem aumentar a inflamação prejudicial.

Jiwen Li e colegas da Universidade da Califórnia de Los Angeles (EUA) descobriram agora que a falta de oxigênio desencadeia mecanismos de reparo molecular nos astrócitos dos camundongos, mas não nos astrócitos humanos.

Em contraste, a inflamação ativa genes de resposta imune nos astrócitos humanos, mas não nos astrócitos de camundongo.

Esta descoberta tem implicações desde a pesquisa básica até a pesquisa translacional sobre distúrbios neurológicos, como doença de Alzheimer, doença de Parkinson e esclerose lateral amiotrófica - condições cujos mecanismos subjacentes incluem estresse oxidativo, falta de oxigênio e inflamação excessiva.

Diferenças entre neurônios de humanos e de cobaias compromete pesquisas científicas
Os astrócitos são conhecidos como os "maestros do cérebro".
[Imagem: Jiwen Li et al. - 10.1038/s41467-021-24232-3]

AVC

Como os astrócitos dos camundongos resistem melhor ao estresse oxidativo, os pesquisadores sugerem que modelos de laboratório para neurodegeneração poderiam ser projetados para diminuir essa resistência, tornando-os mais parecidos com os humanos.

Além disso, a facilidade do astrócito dos camundongos para se reparar em resposta à falta de oxigênio pode sugerir um novo caminho para a pesquisa do AVC (Acidente Vascular Cerebral).

Checagem com artigo científico:

Artigo: Conservation and divergence of vulnerability and responses to stressors between human and mouse astrocytes
Autores: Jiwen Li, Lin Pan, William G. Pembroke, Jessica E. Rexach, Marlesa I. Godoy, Michael C. Condro, Alvaro G. Alvarado, Mineli Harteni, Yen-Wei Chen, Linsey Stiles, Angela Y. Chen, Ina B. Wanner, Xia Yang, Steven A. Goldman, Daniel H. Geschwind, Harley I. Kornblum, Ye Zhang
Publicação: Nature Communications
Vol.: 12, Article number: 3958
DOI: 10.1038/s41467-021-24232-3
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Cérebro

Cobaias

Neurociências

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.