23/12/2021

Nanochip reprograma células do corpo de um tipo para outro

Redação do Diário da Saúde
Nanochip pode reprogramar tecido biológico
O biochip foi projetado para ser implantado no corpo, no local a ser tratado.
[Imagem: IU]

Nanotransfecção de tecido

Um dispositivo inovador está um passo mais perto de seu uso prático como tratamento para pessoas com uma variedade de problemas de saúde.

Trata-se de um biochip flexível e biocompatível que consegue induzir o tecido da pele a se converter em vasos sanguíneos ou em células nervosas, por exemplo.

A tecnologia, chamada de nanotransfecção de tecido, usa o biochip não-invasivo para reprogramar a função do tecido aplicando pequenos disparos elétricos inofensivos, e são esses pulsos elétricos que ativam genes específicos para "direcionar" as células. Tudo ocorre em uma fração de segundo, e o usuário sequer percebe os choques.

Em estudos de laboratório, o dispositivo converteu com sucesso o tecido da pele em vasos sanguíneos para reparar uma perna gravemente ferida.

A tecnologia está sendo desenvolvidas atualmente, em experimentos ainda em estágio inicial, para reprogramar tecidos para diferentes tipos de terapias, como reparar danos cerebrais causados por derrames ou prevenir e reverter danos nos nervos causados por diabetes.

Nanochip pode reprogramar tecido biológico
Esquema de funcionamento do biochip conversor de tecidos biológicos.
[Imagem: Yi Xuan et al. - 10.1038/s41596-021-00631-0]

Chip conversor de células

A novidade agora é que o dispositivo passou da fase de protótipo, feito em bancada de laboratório, para a fabricação padronizada, o que significa que agora ele pode ser fabricado de uma forma consistente e reproduzível, típico da escala industrial.

"Este pequeno chip de silicone viabiliza a nanotecnologia que pode alterar a função de partes vivas do corpo. Por exemplo, se os vasos sanguíneos de alguém forem danificados por causa de um acidente de trânsito e precisam de suprimento de sangue, não podemos mais contar com o vaso sanguíneo pré-existente porque ele foi triturado [no acidente], mas podemos converter o tecido da pele em vasos sanguíneos e resgatar o membro em risco," exemplifica o professor Chandan Sen, da Escola de Medicina da Universidade de Indiana (EUA).

O professor Sen afirma esperar obter a aprovação da FDA para o biochip em no máximo um ano. Depois de receber a aprovação, o chip poderá ser usado para pesquisas clínicas em pessoas, incluindo pacientes em hospitais, centros de saúde e salas de emergência, bem como em outras situações de emergência por socorristas.

"Este relatório sobre como produzir exatamente esses chips de nanotransfecção de tecido permitirá que outros pesquisadores participem desse novo desenvolvimento na medicina regenerativa," ressaltou Sen.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Fabrication and use of silicon hollow-needle arrays to achieve tissue nanotransfection in mouse tissue in vivo
Autores: Yi Xuan, Subhadip Ghatak, Andrew Clark, Zhigang Li, Savita Khanna, Dongmin Pak, Mangilal Agarwal, Sashwati Roy, Peter Duda, Chandan K. Sen
Publicação: Nature Protocols
DOI: 10.1038/s41596-021-00631-0
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Biochips

Nanotecnologia

Células-tronco

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.