30/12/2020

Não confie em testes rápidos de memória para prever Alzheimer

Redação do Diário da Saúde

Testes rápidos demais

Testar a memória das pessoas durante quatro semanas pode identificar quem tem maior risco de desenvolver a doença de Alzheimer antes que ela se desenvolva.

E isso é bem diferente do que tem sido feito até agora.

Perceba que as novas conclusões mostram que testar a capacidade das pessoas de reter memórias por períodos mais longos de tempo tem mais poder de previsão do que os testes de memória clássicos, que testam a memória por períodos muito curtos, de meia hora ou pouco mais.

Como medir declínio da memória

A comparação envolveu 46 idosos cognitivamente saudáveis (com idade média de 70,7 anos), que realizaram três tarefas de memorização. A memória foi então testada após 30 minutos por um teste padrão, e quatro semanas depois. Os voluntários também fizeram o teste Exame Cognitivo III (ACE-III) de Addenbrooke, um teste comumente usado para detectar comprometimento cognitivo, e passaram por uma ressonância magnética do cérebro. O teste ACE-III foi repetido após 12 meses para avaliar a mudança na capacidade cognitiva.

A pesquisa descobriu que a memória de 15 dos 46 participantes (32,6%) diminuiu ao longo do ano e que os testes de memória de quatro semanas previram o declínio cognitivo nessas pessoas com precisão substancialmente superior à dos testes clínicos de memória padrão-ouro usados hoje por psicólogos e neurocientistas.

A previsão se tornou ainda mais precisa ao combinar a pontuação do teste de memória de quatro semanas com informações da ressonância magnética do cérebro, que mostra o tamanho de uma parte do cérebro responsável pela memória, que é normalmente danificada pela doença de Alzheimer.

Terapias preventivas para Alzheimer

"Nosso estudo mostra evidências de uma ferramenta de triagem de baixo custo e rápida que pode ser usada para identificar os primeiros sinais da doença de Alzheimer. Essa ferramenta também poderia acelerar diretamente o desenvolvimento de terapias eficazes para a doença de Alzheimer e permitir tratamentos precoces quando tais terapias estiverem disponíveis," disse o Dr. Alfie Wearn, da Universidade de Bristol (Reino Unido).

"É importante notar que os participantes eram idosos saudáveis que não desenvolveram Alzheimer durante o ensaio, mas algumas pessoas apresentaram o tipo de mudança na memória e no pensamento ao longo de um ano que pode preceder a doença de Alzheimer. Trabalhos futuros estabelecerão se este teste prevê uma demência de Alzheimer realmente desenvolvida," acrescentou sua colega Liz Coulthard.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Accelerated long-term forgetting in healthy older adults predicts cognitive decline over 1 year
Autores: Alfie R. Wearn, Esther Saunders-Jennings, Volkan Nurdal, Emma Hadley, Michael J. Knight, Margaret Newson, Risto A. Kauppinen, Elizabeth J. Coulthard
Publicação: Alzheimer's Research and Therapy
DOI: 10.1186/s13195-020-00693-4
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Memória

Mente

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.