25/11/2021

Não, as mulheres não são mais emocionais do que os homens

Redação do Diário da Saúde
Não, as mulheres não são mais emocionais do que os homens
As mulheres têm sido historicamente excluídas da participação em pesquisas científicas e médicas por alegações quanto às suas emoções.
[Imagem: Brock Wegner/Unsplash]

Emoções masculinas e emoções femininas

Contrariamente ao que ditam os estereótipos, as mulheres não são mais emotivas do que os homens, afirma uma nova pesquisa.

Sentimentos como entusiasmo, nervosismo ou força são frequentemente interpretados de forma diferente, dependendo do gênero da pessoa que os experimenta.

Por exemplo, um homem cujas emoções flutuam durante um evento esportivo é descrito como "apaixonado"; uma mulher cujas emoções mudam devido a qualquer evento, mesmo que provocada, é considerada "irracional".

Alexander Weigard e seus colegas da Universidade Purdue (EUA) afirmam que isso é um viés que não se sustenta na realidade.

Emoções e hormônios femininos

A equipe acompanhou 142 homens e mulheres ao longo de 75 dias, para aprender mais sobre suas emoções diárias, tanto positivas quanto negativas. As mulheres foram divididas em grupos de forma a acompanhar seu ciclo hormonal (menstruação), incluindo a identificação das que não tomavam anticoncepcionais.

Os pesquisadores detectaram as flutuações nas emoções e, em seguida, compararam os homens e as mulheres.

Houve pouca ou nenhuma diferença entre os homens e os vários grupos de mulheres, sugerindo que as emoções dos homens flutuam na mesma medida que as emoções das mulheres - embora as flutuações se deem por razões diferentes.

"Também não encontramos diferenças significativas entre os grupos de mulheres, deixando claro que altos e baixos emocionais são devidos a muitas influências - não apenas aos hormônios," disse Weigard.

Exclusão de pesquisas

Estes resultados têm implicações bem além da vida comum e das discussões de bar, dizem os pesquisadores.

Por exemplo, as mulheres têm sido historicamente excluídas da participação em pesquisas científicas e médicas em parte devido à suposição de que as flutuações do hormônio ovariano levariam a variações - especialmente na emoção - que não poderiam ser controladas experimentalmente.

"Nosso estudo fornece dados psicológicos únicos para mostrar que as justificativas para excluir as mulheres (por causa das flutuações dos hormônios ovarianos e, consequentemente, que as emoções confundiriam os experimentos) são equivocadas," disse a pesquisadora Adriene Beltz.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Little evidence for sex or ovarian hormone influences on affective variability
Autores: Alexander Weigard, Amy M. Loviska, Adriene M. Beltz
Publicação: Nature Scientific Reports
DOI: 10.1038/s41598-021-00143-7
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Gênero

Emoções

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.