Nobel de Medicina 2018 premia a controversa imunoterapia

Nobel de Medicina 2018 premia a controversa imunoterapia

[Imagem: Academia Nobel/Divulgação]

Nobel de Medicina 2018

Um novo tipo de terapia contra o câncer que "desativa o freio" do sistema imunológico humano e é considerada uma nova esperança para a cura da doença por alguns, e criticada por outros, foi premiada com o Nobel de Medicina 2018.

Os ganhadores são os imunologistas James P. Allison, dos Estados Unidos, e Tasuku Honjo, do Japão.

A Assembleia Nobel, ligada ao Instituto Karolinska de Estocolmo, na Suécia, afirmou que as terapias pela inibição da regulação imunológica negativa são "um marco" na luta contra o câncer.

As descobertas dos dois cientistas "estabeleceram um princípio completamente novo" no campo da oncologia e permitem "aproveitar a habilidade do sistema imunológico para atacar as células cancerígenas", disse o comunicado anunciando a premiação.

Os dois cientistas trabalharam separadamente e vão dividir o prêmio de US$ 1 milhão.

Imunoterapia

A imunoterapia, que mira mais especificamente nas células cancerígenas, é considerada uma nova fronteira nos tratamentos contra o câncer.

No entanto, ela funciona apenas em aproximadamente 15 a 20% dos pacientes. Os cientistas ainda não sabem exatamente quem vai se beneficiar e o porquê.

Tanto Allison quanto Honjo estudaram proteínas que impedem que as principais células de defesa do corpo, as células T, ataquem as células cancerígenas.

Quando o sistema imunológico detecta a presença de ameaças no organismo, como vírus e bactérias, estas células se agarram às substâncias exógenas, o que estimula uma resposta imunológica de larga escala. Diversas proteínas mensageiras também estão envolvidas nesse processo. Algumas potencializam a resposta do sistema imunológico e outras servem como freios, prevenindo uma resposta exagerada.

No caso do câncer, o sistema de defesa do corpo nem sempre consegue identificar os tumores e atacá-los. É neste ponto que os trabalhos dos dois pesquisadores provaram ser revolucionários.

Allison, que tem 70 anos e é professor na Universidade do Texas, estudou no início dos anos 1990 a proteína CTLA-4, que funciona como uma espécie de freio do linfócito T.

Honjo, de 76 anos e professor na Universidade de Kyoto, descobriu em 1992 outra proteína na superfície dos linfócitos T: a PD-1, que também freia as células imunológicas, mas com outro mecanismo.

Efeitos colaterais

Ao longo de todo o período desde suas descobertas iniciais, os dois cientistas passaram a desenvolver medicamentos que possam inibir a atividade dessas proteínas, estimulando o sistema imunológico a atacar tumores. A CTLA-4 foi usada no tratamento do melanoma (câncer de pele) avançado, enquanto a PD-1 tem sido utilizada contra tumores de pulmão, renais, linfoma e melanoma.

Novos estudos indicam que, se ambas as terapias forem combinadas, o tratamento pode ser mais eficiente.

As terapias também produzem efeitos colaterais, como reações autoimunes do corpo. Os pesquisadores agora buscam maneiras de reduzir estes efeitos.


Ver mais notícias sobre os temas:

Câncer

Sistema Imunológico

Desenvolvimento de Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.