27/04/2020

Radioterapia: Dose deve ser diferente para homens e mulheres

Redação do Diário da Saúde
Radioterapia: Dose deve ser diferente para homens e mulheres
As mulheres são mais propensas a serem curadas de câncer com radioterapia, mas os efeitos colaterais são piores.
[Imagem: Mark Kostich]

Radioterapia por gênero

Mulheres submetidas à radioterapia para muitos tipos de câncer têm mais probabilidade de cura do que os homens, mas os efeitos colaterais são bem mais graves.

A Dra Eva Bezak, da Universidade do Sul da Austrália, conta que as mulheres geralmente são mais sensíveis à radiação do que os homens, mas isso não é considerado nas diretrizes internacionais para dosagens de radiação.

As diretrizes atuais são geralmente baseadas na altura, peso ou IMC (índice de massa corporal) de uma pessoa e nas respostas radiobiológicas da população em geral, obtidas como média em estudos de larga escala.

Com os novos dados, contudo, passa a ser urgente levar em consideração o gênero do paciente ao administrar radiação.

"Está claro que o gênero desempenha um papel na ocorrência e resposta à terapia de muitas doenças," disse Bezak. "Por exemplo, já está bem estabelecido que os homens são mais suscetíveis a câncer de cabeça, pescoço e sangue e as mulheres são mais propensas a doenças autoimunes, assim como de desenvolver osteoporose".

Os cientistas também já concluíram que as respostas individuais à radioterapia são determinadas individualmente em até 80%, com larga proporção de fatores genéticos.

Medicina feminina e medicina masculina

Então, por onde começar para implantar essa necessária "medicina de gênero"?

"O próximo passo é garantir que usemos tanto camundongos machos quanto fêmeas, mesmo em nossos testes pré-clínicos, de forma que possamos entender melhor como o gênero influencia os resultados do tratamento. Também é importante coletar dados retrospectivamente para que possamos comparar os resultados da radioterapia para homens e mulheres que receberam radioterapia para o mesmo câncer," recomenda a especialista.

E o caso específico da radioterapia também é uma faca de dois gumes para os homens: Por serem mais resistentes à radioterapia do que as mulheres, seus tecidos são menos afetados ao receber radioterapia. Isso significa menos efeitos colaterais, mas também menores efeitos, com suas taxas de sobrevida a longo prazo sendo mais curtas em comparação com as mulheres.

Efeitos da radiação sobre as mulheres

As diferenças nas respostas à radiação são acentuadas por dois grandes eventos da história: O desastre nuclear de Chernobyl em 1986 e as bombas atômicas lançada sobre a população civil de Hiroshima e Nagasaki em 1945.

A professora Bezak afirma que, após o bombardeio de Hiroshima e Nagasaki, a incidência de câncer no Japão foi muito maior em mulheres (58%) em comparação com homens (35%).

Da mesma forma, após o acidente nuclear de Chernobyl, milhões de meninas que nasceram de homens e mulheres que receberam a radiação apresentaram maior risco de desequilíbrio endócrino, câncer de tireoide e tumores cerebrais.

A única área que parece oferecer proteção às mulheres contra a radiação é o hormônio feminino estrogênio, que tem um efeito neuroprotetor durante a irradiação da cabeça.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Gender-dependent radiotherapy: The next step in personalised medicine?
Autores: Louis De Courcy, Eva Bezak, Loredana G.Marcu
Publicação: Critical Reviews in Oncology/Hematology
Vol.: 147, 102881
DOI: 10.1016/j.critrevonc.2020.102881

Ver mais notícias sobre os temas:

Gênero

Câncer

Tratamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.