Se você é mulher e teve um infarto, procure uma médica

Se você é mulher e teve um infarto, procure uma médica
A concordância entre os gêneros de médico e paciente parece ser crítica para as mulheres que tiveram um ataque cardíaco.
[Imagem: CC0 Creative Commons/Pixabay]

Tratamento feminino para infarto feminino

Se você é uma mulher e teve um ataque cardíaco, faça o que puder para se certificar de que você será tratada por uma médica.

É literalmente uma questão de vida ou morte.

Esta é a recomendação de uma pesquisa feita por Laura Huang (Universidade Harvard), Brad Greenwood (Universidade de Minnesota-Twin Cities) e Seth Carnahan (Universidade de Washington em St. Louis) e publicada na revista Proceedings of National Academy of Sciences (PNAS).

De um conjunto de mais de 500.000 pacientes com ataque cardíaco admitidos nos departamentos de emergência entre 1991 e 2010, as pacientes do sexo feminino tratadas por médicos do sexo masculino tiveram menor probabilidade de sobreviver do que pacientes de ambos os sexos tratados por médicos do sexo masculino.

Além disso, as taxas de sobrevivência entre pacientes do sexo feminino tratadas por médicos do sexo masculino melhoraram com um aumento no percentual de médicos do sexo feminino no departamento de emergência e um aumento no número de pacientes do sexo feminino previamente tratados pelo médico.

Concordância de gênero

"Estes resultados," escreve a equipe em seu artigo, "sugerem uma razão pela qual a desigualdade de gênero na mortalidade por ataque cardíaco persiste: a maioria dos médicos é masculina e os médicos do sexo masculino parecem ter problemas para tratar pacientes do sexo feminino. O fato da concordância de gênero (isto é, mulheres tratando mulheres e homens tratando homens) se correlacionar com a sobrevivência de um paciente a um ataque cardíaco tem implicações para a teoria e para prática:

  • 1.

    Os profissionais médicos devem estar cientes dos possíveis desafios que os profissionais do sexo masculino enfrentam ao tratar pacientes com infarto agudo do miocárdio do sexo feminino - por exemplo, uma propensão entre as mulheres a retardar a procura de tratamento e a apresentação de sintomas diferentes dos homens.

  • 2.

    Embora as taxas de mortalidade das pacientes do sexo feminino tratadas por médicos do sexo masculino diminuam à medida que o médico masculino trata mais pacientes do sexo feminino, essa diminuição pode ocorrer às custas de pacientes do sexo feminino mais precoces. Dado o custo do aprendizado de médicos do sexo masculino no trabalho, pode ser mais eficaz aumentar a presença de médicos do sexo feminino dentro do departamento de emergência.

  • 3.

    Tudo isso destaca a necessidade de atualizar os treinamentos que os médicos recebem para garantir que as doenças cardíacas não sejam simplesmente lançadas como uma condição "masculina", que é geralmente tomada como sabedoria convencional na mídia e na comunidade médica.

Laura Huang e seus colegas concluíram que ainda há trabalho a ser feito para entender o mecanismo preciso de por que a concordância entre os gêneros parece ser crítica, particularmente para as mulheres.

"Tal pesquisa deverá incluir intervenções experimentais, ou testes de treinamento mais direcionados, para examinar como expor mais os médicos do sexo masculino à apresentação de pacientes do sexo feminino pode impactar os resultados," recomendaram eles.


Ver mais notícias sobre os temas:

Saúde da Mulher

Coração

Atendimento Médico-Hospitalar

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2018 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.