24/09/2020

Alzheimer pode ser causado por excesso de açúcar na alimentação, dizem cientistas

Redação do Diário da Saúde
Alzheimer pode ser causado por ingestão excessiva de açúcar, dizem cientistas
De acordo com a hipótese, vários fatores de risco podem induzir o metabolismo da frutose cerebral, que pode iniciar uma variedade de processos, levando às manifestações patológicas e clínicas da doença de Alzheimer.
[Imagem: Richard J. Johnson et al. - 10.3389/fnagi.2020.560865]

Alzheimer causado pela frutose?

Médicos e cientistas estão propondo que a doença de Alzheimer pode ser causada pela superativação da frutose produzida no cérebro.

A frutose, ou levulose, é também conhecida como açúcar das frutas, sendo o açúcar mais solúvel em água de todos. Juntamente com a glicose, ela constitui a sacarose, que é o açúcar comum. Apesar de sua origem natural, alguns estudos indicaram que a frutose pode ser pior para a saúde do que a glucose, o açúcar que as células usam como fonte de energia e intermediário metabólico.

Em um artigo publicado na revista científica Frontiers in Aging Neuroscience, a equipe delineou a hipótese de que a doença de Alzheimer seja impulsionada em grande parte pelos hábitos alimentares da cultura ocidental, que resultou em um metabolismo excessivo de frutose no cérebro.

A proposta está sendo feita por uma equipe interdisciplinar de neurologistas, neurocientistas e especialistas em metabolismo do açúcar.

Frutose no cérebro

A equipe apresenta pesquisas e dados extensos conduzidos sobre a doença de Alzheimer que relacionam os altos níveis de frutose no cérebro à doença. A teoria também ajuda a explicar associações já bem verificadas, como por que o diabetes e a obesidade estão associados a um risco maior de doença de Alzheimer.

"Em essência, nós propomos que a doença de Alzheimer é uma doença moderna impulsionada por mudanças no estilo de vida dietético em que a frutose pode interromper o metabolismo cerebral e a função neuronal," resumiu o professor Richard Johnson, da Escola de Medicina da Universidade do Colorado.

A equipe lista e descreve dados que mostram a hiperativação do metabolismo da frutose cerebral e como isso pode levar à doença de Alzheimer.

A fonte de frutose é em grande parte de produção endógena do próprio cérebro. Assim, a redução da produção de energia mitocondrial é dificultada pela glicólise neuronal inadequada, resultando na perda progressiva dos níveis de energia cerebral necessários para que os neurônios permaneçam funcionais e viáveis.

"Ao delinear evidências consistentes, esperamos inspirar os pesquisadores a continuar explorando a relação entre a frutose no cérebro e a doença de Alzheimer. Novos tratamentos destinados a inibir o metabolismo intracerebral da frutose podem fornecer uma nova maneira de prevenir e tratar esta doença," acrescentou Johnson.

Alzheimer pode ser causado por ingestão excessiva de açúcar, dizem cientistas
Efeitos fisiológicos e patológicos da frutose. A frutose é usada na natureza como uma via inata de sobrevivência que ajuda a proteger os animais da escassez de alimentos e água. Por outro lado, a ingestão excessiva de açúcares contendo frutose superativou essa via, resultando em vários distúrbios metabólicos.
[Imagem: Richard J. Johnson et al. - 10.3389/fnagi.2020.560865]

Cérebro contra açúcar

Em um dos cenários descritos pela equipe, o hipometabolismo da glicose - metabolismo insuficiente - aumentou o estresse oxidativo, gerando uma perda progressiva das mitocôndrias, levando eventualmente à disfunção neuronal e à morte celular.

Neste cenário, as placas amiloides e os emaranhados neurofibrilares são parte da resposta inflamatória e participam da lesão, mas não são os fatores centrais que geram a doença, o que coincide com resultados de outras equipes, que propõem que as beta-amiloides podem ser uma defesa do cérebro.

O Dr. Johnson menciona que, em tese, a inibição de enzimas no cérebro que estão envolvidas na produção ou metabolismo da frutose pode fornecer novas maneiras de prevenir e tratar a doença de Alzheimer.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Cerebral Fructose Metabolism as a Potential Mechanism Driving Alzheimer’s Disease
Autores: Richard J. Johnson, Fernando Gomez-Pinilla, Maria Nagel, Takahiko Nakagawa, Bernardo Rodriguez-Iturbe, Laura G. Sanchez-Lozada, Dean R. Tolan, Miguel A. Lanaspa
Publicação: Frontiers in Aging Neuroscience
DOI: 10.3389/fnagi.2020.560865
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Cérebro

Alimentação e Nutrição

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2020 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.