29/07/2020

Hormônio do amor tem resultados promissores contra Alzheimer

Redação do Diário da Saúde
A oxitocina, o hormônio que induz sentimentos de bem-estar, reverte alguns dos danos causados pelas placas amiloides no centro de aprendizado e memória do cérebro.
[Imagem: Tokyo University of Science]

Hormônio das emoções e dos pensamentos

Cientistas japoneses descobriram que o hormônio ocitocina - ou oxitocina - pode ser usado para tratar problemas cognitivos, sobretudo aqueles associados à doença de Alzheimer.

A ação do hormônio - mais conhecido por seu papel no sistema reprodutivo feminino e na indução de sentimentos de bem-estar - parece envolver as proteínas amiloides beta (Aβ), que se acumulam em placas no cérebro de portadores de Alzheimer.

Estudos em modelos animais mostraram que o aumento da agregação de Aβ no hipocampo - o principal centro de aprendizado e memória do cérebro - causa um declínio no potencial de transmissão de sinais dos neurônios, afetando a plasticidade sináptica, que é a capacidade das sinapses se adaptarem a um aumento ou diminuição da atividade ao longo do tempo.

A plasticidade sináptica é crucial para o desenvolvimento da aprendizagem e das funções cognitivas no hipocampo. Assim, a Aβ e seu papel em causar défices cognitivos e de memória têm sido o foco da maioria das pesquisas destinadas a encontrar tratamentos para a doença de Alzheimer.

A novidade é que a ocitocina também tem seu papel cognitivo.

"Recentemente se descobriu que a ocitocina está envolvida na regulação do desempenho da aprendizagem e da memória, mas até agora, nenhum estudo anterior lidou com o efeito da ocitocina no comprometimento cognitivo induzido pelas amiloides beta," disse o professor Akiyoshi Saitoh, da Universidade de Ciências de Tóquio.

Ocitocina contra Alzheimer

Saitoh e seus alunos fizeram isto, e demonstraram que a perfusão do hormônio ocitocina no tecido cerebral das cobaias reforçou a capacidade de sinalização, sugerindo que a ocitocina pode reverter o comprometimento da plasticidade sináptica induzido pelas Aβ.

No cérebro normal, a ocitocina agiu ligando-se a estruturas especiais nas membranas das células cerebrais, chamadas receptores de ocitocina. Quando os receptores foram bloqueados, a ocitocina não conseguiu reverter o efeito das Aβ, o que mostra que esses receptores são essenciais para a ocitocina agir.

É apenas o primeiro experimento já realizado no mundo a mostrar que a ocitocina pode reverter as deficiências induzidas pelas Aβ, mas é um primeiro passo importante em um campo que não tem produzido resultados práticos para os pacientes - todos os medicamentos testados até agora contra Alzheimer falharam.

"Atualmente, não existem medicamentos suficientemente satisfatórios para tratar a demência, e precisamos de novas terapias com novos mecanismos de ação. Nosso estudo aponta para a possibilidade interessante de que a ocitocina possa ser uma nova modalidade terapêutica para o tratamento da perda de memória associada a distúrbios cognitivos, como a doença de Alzheimer. Esperamos que nossas descobertas abram um novo caminho para a criação de novos medicamentos para o tratamento da demência causada pela doença de Alzheimer," disse o professor Saitoh.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Oxytocin reverses A?-induced impairment of hippocampal synaptic plasticity in mice
Autores: Junpei Takahashi, Daisuke Yamada, Yudai Ueta, Takashi Iwai, Eri Koga, Mitsuo Tanabe, Jun-Ichiro Oka, Akiyoshi Saitoh
Publicação: Biochemical and Biophysical Research Communications
Vol.: 528, Pages 174-178
DOI: 10.1016/j.bbrc.2020.04.046
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Emoções

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2020 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.