22/12/2021

Miniestômagos cultivados em laboratório explicam sintomas da covid em crianças

Redação do Diário da Saúde
Miniestômagos cultivados em laboratório explicam sintomas da covid em crianças
Esquema do cultivo de miniestômagos em laboratório.
[Imagem: Giovanni Giuseppe Giobbe et al. - 10.1038/s41467-021-26762-2]

Miniestômagos

Têm sido feitos inúmeros avanços para cultivar miniorgãos em laboratório, conhecidos como organoides.

Esses organoides fornecem aos pesquisadores ferramentas inestimáveis para estudar como os órgãos funcionam quando estão saudáveis e quando estão sendo afetados por doenças.

Agora, uma equipe da Itália e do Reino Unido descreveu, pela primeira vez, como cultivar miniestômagos, e fazê-los em diferentes estágios de desenvolvimento - fetal, infantil e adulto.

Para fazer isso, os pesquisadores isolaram células-tronco de amostras de estômago de pacientes e as cultivaram em condições especiais no laboratório para obter mini-estômagos que imitam o comportamento de um estômago humano.

Sintomas gastrointestinais

Como não poderia deixar de ser, o primeiro uso dos mini-estômagos envolve a covid-19.

À medida que a pandemia progredia, vários hospitais relataram sintomas gastrointestinais associados com os efeitos respiratórios mais comuns, especialmente em crianças.

Os cientistas então facilitaram a infecção externa dos miniestômagos, expondo a superfície das células ao vírus SARS-CoV-2. Isso mostrou que o vírus pode se replicar no estômago, e ele fez isso com mais facilidade em organoides que cresceram a partir de células-tronco infantis e de células-tronco fetais tardias, em comparação com as células-tronco adultas.

A equipe também foi capaz de observar o impacto da infecção nas células dentro dos organoides, mostrando que um grupo específico de células, chamadas células delta, que produzem um hormônio chamado somatostatina, morreu, o que poderia explicar alguns dos sintomas estomacais vistos em pacientes.

Infecções gastrointestinais

"Este estudo destacou que a infecção por SARS-CoV-2 pode começar a infectar o sistema gastrointestinal através do estômago em crianças e bebês. Esperamos que isso acrescente outra peça ao quebra-cabeça enquanto tentamos construir nossa compreensão do impacto do vírus em todo o corpo. Como equipe de pesquisa, estamos orgulhosos de ter contribuído para a luta global contra o coronavírus desta forma, orientando nossa pesquisa conforme a necessidade surge," disse o professor Paolo De Coppi, coordenador da pesquisa.

A equipe planeja agora continuar seu trabalho, utilizando esses novos miniestômagos para estudar como o estômago se desenvolve desde o início da gravidez até a idade adulta. Eles também planejam examinar os efeitos das infecções gastrointestinais mais comuns, virais ou não.

Checagem com artigo científico:

Artigo: SARS-CoV-2 infection and replication in human gastric organoids
Autores: Giovanni Giuseppe Giobbe, Francesco Bonfante, Brendan C. Jones, Onelia Gagliano, Camilla Luni, Elisa Zambaiti, Silvia Perin, Cecilia Laterza, Georg Busslinger, Hannah Stuart, Matteo Pagliari, Alessio Bortolami, Eva Mazzetto, Anna Manfredi, Chiara Colantuono, Lucio Di Filippo, Alessandro Filippo Pellegata, Valentina Panzarin, Nikhil Thapar, Vivian Sze Wing Li, Simon Eaton, Davide Cacchiarelli, Hans Clevers, Nicola Elvassore, Paolo De Coppi
Publicação: Nature Communications
Vol.: 12, Article number: 6610
DOI: 10.1038/s41467-021-26762-2
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Células-tronco

Vírus

Infecções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.