08/05/2019

Quanto menor a aposentadoria, menor a expectativa de vida

Redação do Diário da Saúde
Quanto menor a aposentadoria, menor a expectativa de vida
Trabalhadores com aposentadorias maiores vivem quase 5 anos a mais do que seus colegas que se aposentaram com valores menores.
[Imagem: MPI for Demographic Research]

Perda de renda = perda de vida

Nível de renda e status social têm um efeito direto na expectativa de vida das pessoas.

Em média, os homens com aposentadoria de baixo valor morrem cinco anos mais cedo do que aqueles em melhor situação financeira.

Em outras palavras, a pobreza encurta a vida, garantem Georg Wenau, Pavel Grigoriev e Vladimir Shkolnikov, do Instituto Max Planck de Pesquisa Demográfica (Alemanha).

Esse resultado não parece ser grande novidade, mas essa correlação é muito clara até mesmo em países desenvolvidos e de alta qualidade de vida, como a Alemanha.

Mais do que isso, a análise mostrou que a diferença na expectativa de vida entre ricos e pobres cresceu significativamente nos últimos 20 anos.

Homens de 65 anos de idade com benefícios de aposentadoria mais altos podem esperar viver por mais 19 anos, em média, enquanto os homens dos cinco estratos de renda mais baixos, em média, não viverão para ver o seu 80º aniversário. Esses homens têm menos de 15 anos de vida restante aos 65 anos, mais de quatro anos a menos do que seus colegas com aposentadorias maiores. Em 1997, essa diferença era de apenas três anos.

"Especialmente para os homens na base da hierarquia social e econômica, a expectativa de vida aos 65 anos subiu acentuadamente durante os anos mais recentes. Na Alemanha Ocidental, ela quase parou de crescer desde 2007," disse Wenau.

Fardo de uma vida mais difícil

Se os pagamentos de pensão por um dado direito fossem aumentados, isso tornaria todos mais tranquilos financeiramente na velhice, mas os pesquisadores acreditam que isso não seria suficiente para contrabalançar o fardo de saúde das histórias pessoais de desemprego e baixos salários, que encurtam as vidas das pessoas nos estratos mais baixos de renda.

Apenas homens foram incluídos no estudo, justificam os pesquisadores, porque as mulheres tiveram uma participação no mercado de trabalho comparativamente menor e os baixos pagamentos de pensões das mulheres foram muitas vezes compensados por uma renda relativamente maior de toda a família.


Ver mais notícias sobre os temas:

Trabalho e Emprego

Qualidade de Vida

Terceira Idade

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.