23/04/2020

De onde vem a criatividade? Músicos de jazz dão algumas pistas

Redação do Diário da Saúde
De onde vem a criatividade? Músicos de jazz dão algumas pistas
Este é um guitarrista de jazz improvisando enquanto sua atividade cerebral (EEG) é gravada.
[Imagem: Drexel University]

Lados do cérebro

Segundo uma visão popular, a criatividade é um produto do hemisfério direito do cérebro - pessoas inovadoras são consideradas "pensadores do cérebro direito", enquanto "pensadores do cérebro esquerdo" são analíticos e lógicos - embora haja também um lugar para as emoções no cérebro.

Para avaliar se essas divisões do cérebro têm realmente fundamentação científica, pesquisadores do Laboratório de Pesquisas sobre Criatividade (Universidade de Drexel - EUA) analisaram a atividade cerebral de voluntários enquanto eles se dedicavam a uma tarefa que exigia criação ou improvisação.

Para isso, os voluntários eram todos guitarristas de jazz, conhecidos pela criatividade enquanto fazem suas improvisações.

Os resultados mostraram que a criatividade não está ligada aos hemisférios cerebrais da forma como se pensava.

De fato, a criatividade é mesmo impulsionada em maior medida pelo hemisfério direito naqueles músicos que são relativamente inexperientes na improvisação. No entanto, os músicos com grande experiência em improvisação dependem principalmente do hemisfério esquerdo para suas execuções.

Isso sugere que a criatividade é uma "habilidade do hemisfério direito do cérebro" quando uma pessoa lida com uma situação desconhecida, mas também que a criatividade se baseia em rotinas bem aprendidas do hemisfério esquerdo quando uma pessoa é experiente na tarefa.

De onde vem a criatividade? Músicos de jazz dão algumas pistas
Mapas de atividade cerebral mostrando áreas associadas a desempenhos de alta criatividade em comparação com desempenhos de menor criatividade. Cada mapa mostra uma vista superior da cabeça.
[Imagem: Drexel University]

Como treinar criatividade

Ao levar em consideração como a atividade cerebral muda com a experiência, esta pesquisa pode contribuir para o desenvolvimento de novos métodos para treinar as pessoas a serem criativas em seu próprios campos de atividade.

Por exemplo, quando uma pessoa é um especialista, seu desempenho é produzido principalmente por processos automáticos relativamente inconscientes, difíceis de alterar conscientemente, mas fáceis de se subjugar quando se faz um esforço - como quando a autoconsciência faz com que uma pessoa "engasgue" ou vacile.

Por outro lado, o desempenho dos novatos tende a estar sob controle deliberado e consciente. Assim, eles são mais capazes de fazer ajustes de acordo com as instruções dadas por um professor ou treinador.

"Se a criatividade é definida em termos da qualidade de um produto, como uma música, invenção, poema ou pintura, o hemisfério esquerdo desempenha um papel fundamental. No entanto, se a criatividade é entendida como a capacidade de uma pessoa para lidar com situações novas e desconhecidas, como é o caso de improvisadores iniciantes, o hemisfério direito desempenha o papel principal," resumiu o professor John Kounios, idealizador do estudo.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Dual-process contributions to creativity in jazz improvisations: An SPM-EEG study
Autores: David S. Rosen, Yongtaek Oh, Brian Erickson, Fengqing (Zoe) Zhang, Youngmoo E. Kim, John Kounios
Publicação: Neurolmage
Vol.: 213, 116632
DOI: 10.1016/j.neuroimage.2020.116632

Ver mais notícias sobre os temas:

Criatividade

Cérebro

Mente

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.