29/10/2020

Ficar sentado é sempre ruim para sua mente? Talvez não

Redação do Diário da Saúde
Ficar sentado é sempre ruim para sua mente? Talvez não
Quando você não conseguir mesmo se exercitar, alguns exercícios para as pernas fazem a diferença.
[Imagem: Colorado State University]

Vocabulário e raciocínio melhores

É comum ouvir dos especialistas que adultos de todas as idades devem sentar-se menos, movimentar-se mais e praticar exercícios regularmente para se sentirem melhor e reduzir o risco de doenças crônicas.

No entanto, quando se trata do cérebro e da cognição, um novo estudo com adultos mais velhos sugere que um pouco de sedentarismo não é de todo ruim, desde que os padrões básicos de atividade física sejam alcançados.

Aga Burzynska e colegas da Universidade do Estado do Colorado (EUA) examinaram a associação entre a atividade física medida por sensores e o desempenho cognitivo em uma amostra de 228 idosos saudáveis, com idades entre 60 e 80 anos.

Os resultados mostraram que, como esperado, os adultos que se engajaram em atividades de moderadas a vigorosas tiveram melhores habilidades de velocidade e memória.

No entanto, os dados também revelaram que adultos que passaram mais tempo sedentários tiveram melhor desempenho em tarefas de vocabulário e raciocínio.

Esta parece ser uma boa notícia para uma população que passa uma quantidade significativa de tempo sentada para trabalho e lazer.

Cognição cristalizada

O que diferencia este estudo de outros é a forma como os pesquisadores mediram a atividade física diária, usando sensores validados, que são mais precisos do que pedômetros ou declarações dos voluntários. "Já sabemos que as pessoas gostam de superestimar seus movimentos diários e subestimar o tempo que passam sentadas," disse Burzynska.

Curiosamente, os pesquisadores não observaram associações entre atividades físicas leves - como lavar roupa, cozinhar ou outras tarefas domésticas - e cognição. Embora a substituição do sedentarismo por atividades físicas leves tenha sido recomendada para uma melhor saúde metabólica, não há evidências de tal relação no nível cognitivo.

Os resultados são puramente correlações e não apresentam causas claras, mas os pesquisadores especulam que, quando as pessoas são sedentárias, é provável que se envolvam em atividades educacionais e estimulantes, como ler, jogar, montar quebra-cabeças ou assistir a jogos, que podem servir para aumentar a cognição cristalizada.

"Há um grande alarido no campo da saúde e do bem-estar de que sentar é sempre ruim para o seu corpo, que ser um viciado em televisão não é bom," disse Burzynska, "E, embora nossos estudos anteriores indicassem que o cérebro de quem passa mais tempo sentado pode envelhecer mais rápido, parece que, no nível cognitivo, o tempo sentado também pode ser significativo."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Sensor-measured sedentariness and physical activity are differentially related to fluid and crystallized abilities in aging
Autores: A. Z. Burzynska, M. W. Voss, J. Fanning, E. A. Salerno, N. P. Gothe, E. McAuley, A. F. Kramer
Publicação: Psychology and Aging
DOI: 10.1037/pag0000580
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Atividades Físicas

Mente

Concentração

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.