22/04/2020

Você pode gostar de informações, mas provavelmente não vai querer saber tudo

Redação do Diário da Saúde
Você pode gostar de informações, mas provavelmente não vai querer saber tudo
Também já se sabia que as pessoas frequentemente não usam informações disponíveis em suas decisões.
[Imagem: CC0 Public Domain/Pixabay]

Buscar ou evitar informações

Vivemos um tempo de acesso sem precedentes à informação. E, neste momento de "fique em casa" no mundo todo, o desejo de notícias pode ser maior do que nunca - pelo menos para algumas pessoas.

Mas nós realmente queremos toda essa informação, o tempo todo?

Alguns podem de fato preferir ter pensamentos mais felizes e manter uma visão otimista sobre a ameaça à saúde que enfrentamos. Por outro lado, outros podem preferir não saber o que as oscilações do mercado estão fazendo com suas economias.

Em outras palavras, a maioria das pessoas tem áreas de sua vida - incluindo saúde e finanças - nas quais prefere evitar verdades potencialmente duras e permanecer alegremente "ignorante".

"Os economistas há muito pensam 'quanto mais, melhor', quando se trata de informação," pondera o professor George Loewenstein, da Universidade Carnegie Mellon (EUA). "Esse pensamento não reflete totalmente o relacionamento complexo das pessoas com as informações. Queríamos criar uma maneira de medir a tendência de um indivíduo de buscar ou se esquivar das informações".

Evitar a verdade vs. conhecer os fatos

Para medir essa tendência em relação às informações, os pesquisadores colocaram voluntários frente a diversos cenários.

Em um deles, por exemplo, os participantes tiveram a opção de descobrir, como parte de um exame médico de rotina, até que ponto seu corpo havia sofrido danos duradouros devido ao estresse: Um terço dos entrevistados preferiu não ouvir as informações.

Em outro, entre os voluntários que pretensamente tinham dado seu livro favorito de presente a um amigo próximo, 1 em cada 4 participantes preferiu não saber se o amigo havia lido ou gostado do livro.

O estudo mostra que o desejo de evitar informações é generalizado e que a maioria das pessoas possui pelo menos alguns domínios - seja saúde, finanças ou opinião de outras pessoas - nas quais preferem permanecer desinformadas.

"É tentador pensar que as pessoas do lado oposto do seu espectro político são as que tentam evitar as informações," comentou o professor David Hagmann, membro da equipe. "Mas não encontramos diferenças na fuga das informações por ideologia política, renda, gênero ou, talvez surpreendentemente, pela educação.

Característica duradoura

O estudo também mostrou que o desejo por informações foi consistente ao longo do tempo. Ou seja, aqueles que expressaram uma preferência por evitar informações em determinado momento expressaram preferências semelhantes quando perguntados novamente semanas depois.

Além disso, o modo como as pessoas reagiram a cenários hipotéticos previram suas decisões reais quando elas foram apresentadas a casos reais de receber ou evitar a obtenção de informações.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Measuring Information Preferences
Autores: Emily H. Ho, David Hagmann, George Loewenstein
Publicação: Management Science
DOI: 10.1287/mnsc.2019.3543

Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Ética

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.