30/03/2021

Medo na pandemia: Fatores psicólogos importam, fatores ambientais não

Redação do Diário da Saúde
Medo na pandemia: Fatores psicólogos importam, fatores ambientais não
Pesquisadores identificaram as variáveis mais importantes que preveem o medo do novo coronavírus e a percepção da saúde durante as restrições de movimentação.
[Imagem: Stephanie Eder]

Medo para o bem e para o mal

Durante as pandemias, os comportamentos de proteção precisam ser motivados por uma comunicação eficaz.

Um fator crítico para a compreensão da resposta de uma população a tal ameaça é o medo que a ameaça provoca.

Acontece que o medo, por um lado, contribui para motivar respostas de proteção, mas, por outro, também pode levar a comportamentos impulsionados pelo pânico.

Além disso, as medidas de bloqueio afetam o bem-estar, tornando importante identificar os fatores de proteção que ajudam a manter altos níveis percebidos de saúde durante as restrições.

Uma equipe internacional de pesquisadores, liderada por cientistas da Universidade de Viena (Áustria), conseguiu agora identificar fatores psicológicos que preveem o medo e como esses fatores influenciam a saúde - para o bem ou para o mal - durante os confinamentos.

Previsão do medo e da sensação de saúde

O medo pode ser previsto com uma precisão muito boa quando se leva em consideração as preocupações com a escassez na oferta de bens necessários ao dia a dia, a percepção da possibilidade de infecção pela doença, a aversão aos germes e as infecções na esfera social imediata da pessoa.

Já os fatores que preveem a percepção de saúde incluem uma forte percepção da infectabilidade das doenças em geral, segurança do apego, atividade física e idade mais jovem - isso indica que as populações mais velhas, com alta percepção de infectabilidade e insegurança, podem ser mais vulneráveis durante esses tempos incertos.

Curiosamente, as variáveis ambientais - como a gravidade local das restrições de bloqueio e a mortalidade - não tiveram valor preditivo para nenhuma das variáveis pesquisadas.

Esses resultados podem ser usados por autoridades de saúde preocupadas com o bem comum para traçar políticas de comunicação mais eficazes durante a pandemia.

"Poderíamos mostrar o valor dos fatores psicológicos de 'nível micro' sobre as condições ambientais de escala macro ao prever a resposta de uma população a uma crise e ao projetar intervenções comportamentais para grupos-alvo específicos," disse a pesquisadora Stephanie Eder.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Predicting fear and perceived health during the COVID-19 pandemic using machine learning: A cross-national longitudinal study
Autores: Stephanie Josephine Eder, David Steyrl, Michal Mikolaj Stefanczyk, Michal Pieniak, Judit Martínez Molina, Ondra Pesout, Jakub Binter, Patrick Smela, Frank Scharnowski, Andrew A. Nicholson
Publicação: PLoS ONE
DOI: 10.1371/journal.pone.0247997
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Emoções

Epidemias

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.