17/04/2020

Por que as pessoas cometem crimes?

Redação do Diário da Saúde
Por que as pessoas cometem crimes?
"Não se trata de patologias individuais. Trata-se de histórias e circunstâncias sociais patológicas," diz o professor Craig Haney.
[Imagem: Melissa De Witte]

Origens da criminalidade

Quarenta anos atrás, Craig Haney era um jovem professor de psicologia na Universidade da Califórnia de Santa Cruz (EUA) quando ele começou a se interessar sobre as verdadeiras causas dos crimes.

Ao trabalhar com condenados em uma prisão, ele começou a verificar um padrão: a maioria dos criminosos apresentava um histórico de sofrimento na primeira infância, com experiências de trauma, abuso e maus-tratos.

Ele então se colocou a questão: E se o comportamento criminoso mais violento não for fruto de nenhum traço específico de personalidade, ou mesmo de eventos circunstanciais, mas estiver enraizado nesse sofrimento da primeira infância?

O então jovem pesquisador apresentou essa hipótese aos seus professores, que se mostraram céticos: Não havia muita literatura para sugerir que um trauma precoce pudesse moldar tão profundamente o comportamento adulto, e certamente não o comportamento criminoso adulto.

Haney então resolveu dedicar sua carreira para suprir essa falta de estudos. Nesses anos, ele publicou seus resultados, levou a discussão a congressos científicos e conseguiu dados concretos que fizeram com que muitos outros psicólogos começassem a pesquisar o assunto.

Agora, Haney reuniu todo esse corpo de pesquisa - suas e de outros - em um livro, que traz uma análise abrangente e aprofundada das causas do comportamento criminoso.

Injustiça social

O livro traz conclusões sobre o papel preponderante dos traumas evitáveis e da injustiça estrutural na sociedade sobre a criminalidade, um saber suficiente para justificar uma reforma real no sistema de justiça criminal.

"A narrativa dominante sobre o crime é que ele é cometido por pessoas más que escolhem livremente tomar más decisões, pessoas que são fundamentalmente diferentes do resto de nós," disse Haney. "Mas a única coisa que é fundamentalmente diferente sobre eles é a vida que eles viveram e os impedimentos estruturais que eles enfrentaram".

Milhares de estudos publicados nessas últimas quatro décadas estabelecem claramente que as pessoas que mais correm risco de comportamento criminoso são aquelas que foram expostas a inúmeros traumas ou "fatores de risco" em suas vidas, geralmente começando na infância.

O impacto a longo prazo do abuso e da negligência é frequentemente agravado por maus-tratos adicionais nas mãos das próprias instituições encarregadas de proteger essas pessoas, incluindo escolas, o sistema de assistência social e o sistema de justiça juvenil, diz Haney.

Além disso, ele argumenta que a pobreza e o racismo são fatores estruturais preponderantes que contribuem para o crime.

Por que as pessoas cometem crimes?
O livro do professor Haney ainda não possui tradução em português.
[Imagem: Melissa De Witte]

Origem dos crimes: Pobreza e desigualdade

A pobreza é um fator de risco que expõe as pessoas a outras formas de trauma, garante uma gama de necessidades não atendidas e pode restringir oportunidades ao longo de uma vida inteira, cita Haney: "Noventa por cento das pessoas na prisão são pobres, e a maioria são pessoas de cor."

Como raça e pobreza estão tão profundamente entrelaçadas em nossa sociedade, as pessoas de cor são mais propensas a enfrentar esses desafios. Esse fato, e seu tratamento diferenciado nas mãos do sistema de justiça criminal, explicam sua super-representação nas prisões.

Se as injustiças sociais, econômicas e raciais são as verdadeiras causas do comportamento criminoso, argumenta Haney, o único caminho real para reduzir o crime é lidar com elas de forma séria.

"A reforma fundamental da justiça criminal exigirá que mudemos nossas concepções de quem comete crime e por quê," propõe Haney. "Não se trata de patologias individuais. Trata-se de histórias e circunstâncias sociais patológicas. Nós sabemos disso não porque é politicamente liberal ou progressista dizer isso. Sabemos disso porque há uma montanha de dados nos dizendo que é verdade".

"Lidar com as terríveis consequências da pobreza e da desigualdade econômica é importante por si só, mas também deve ser visto como um avanço na meta de prevenção ao crime. Reduzir o crime e a pobreza fazem parte da mesma agenda de justiça social," concluiu o pesquisador.


Ver mais notícias sobre os temas:

Violência

Relacionamentos

Cuidados com a Família

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.