28/06/2022

Linguagens do amor: Eu amo o jeito que você me ama

Redação do Diário da Saúde
Linguagens do amor: Eu amo o jeito que você me ama
O foco nas necessidades de linguagem amorosa dos parceiros pode ser eficaz no aconselhamento de relacionamentos.
[Imagem: Oziel Gómez/Unsplash]

Linguagens do amor

A satisfação dos pares em um relacionamento heterossexual está ligada à realização das preferências pessoais para receber afeto expresso de acordo com distintas linguagens de amor.

É o que dizem Olha Mostova e seus colegas da Universidade de Varsóvia (Polônia).

As linguagens do amor referem-se à ideia popular de que as pessoas diferem tanto na forma como expressam afeto, quanto na forma como desejam recebê-lo.

Essa hipótese envolve cinco linguagens distintas para comunicar o amor: Palavras de afirmação, passar tempo de qualidade juntos, dar presentes, atos de serviço e toque físico. Apesar de sua popularidade, o conceito de linguagens do amor permanece relativamente pouco explorado pelos pesquisadores.

Linguagens compatíveis

Para aprofundar essa compreensão, Mostova e seus colegas conduziram um experimento com 100 casais heterossexuais que estavam juntos por períodos entre 6 meses e 24 anos, com os parceiros tendo idades entre 17 e 58 anos.

O questionário avaliou as linguagens de amor preferidas dos participantes para expressar amor ao parceiro e, por sua vez, quais linguagens do amor usadas pelo parceiro mais os faziam sentir-se amados - esses dados permitiram identificar o grau das incompatibilidades dentro de cada casal. A equipe de psicólogos também avaliou a satisfação dos participantes no relacionamento, a satisfação sexual e a empatia.

A análise mostrou que, tanto para homens quanto para mulheres, os participantes cujos parceiros usavam as linguagens do amor que cada participante respectivo preferia receber apresentaram níveis mais altos de qualidade do relacionamento e satisfação sexual. Maior satisfação também foi encontrada entre os participantes que relataram usar as linguagens de amor que seus parceiros preferiam receber.

Os pesquisadores também haviam levantado a hipótese de que a empatia estaria associada a uma maior tendência de um participante usar a linguagem do amor que seu parceiro preferisse receber. No entanto, embora a análise tenha mostrado um pequeno suporte para certos subtipos de empatia, que afetam as experiências de relacionamento dos participantes do sexo masculino, essa hipótese não foi confirmada no geral.

Isso significa que os voluntários não estavam usando a linguagem do amor que seus parceiros preferiam apenas "para agradar", mas que isso era natural para eles e, portanto, havia uma maior compatibilidade no casal.

Aconselhamento de relacionamentos

Embora o experimento tenha incluído apenas casais heterossexuais, os pesquisadores sugerem que o foco nas necessidades de linguagem amorosa dos parceiros pode ser eficaz no aconselhamento de relacionamentos.

Eles também sugerem várias direções para pesquisas futuras, como examinar se a correspondência da linguagem do amor realmente causa maior satisfação, ou se surge dela ou de um fator totalmente diferente.

"Nossos resultados sugerem que as pessoas que melhor combinam com as preferências umas das outras por linguagens do amor estão mais satisfeitas com seus relacionamentos e vida sexual. A avaliação dimensional pode ser preferível à tipologização das linguagens do amor," concluiu a equipe.

Checagem com artigo científico:

Artigo: I love the way you love me: Responding to partners love language preferences boosts satisfaction in romantic heterosexual couples
Autores: Olha Mostova, Maciej Stolarski, Gerald Matthews
Publicação: PLoS ONE
DOI: 10.1371/journal.pone.0269429
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Sentimentos

Relacionamentos

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.