28/09/2021

Não acredite em tudo o que você sente: Seu cérebro ilude você

Redação do Diário da Saúde
Não acredite em tudo o que você sente: Seu cérebro ilude você
Vibrações são interpretadas de forma similar por camundongos e humanos - nos dois casos de forma imprecisa.
[Imagem: Daniel Huber/UNIGE]

Ilusão tátil

Entre os cinco sentidos humanos tradicionais, o tato é o menos estudado.

No entanto, precisamos dele em todos os lugares, o tempo todo, sobretudo nos últimos anos, com o uso diário generalizado de dispositivos eletrônicos que precisam ter tocados e respondem emitindo vibrações.

Na verdade, qualquer objeto em movimento transmite sinais oscilatórios que se propagam através de substratos sólidos. Nosso corpo detecta esses sinais por meio de mecanorreceptores localizados abaixo da pele e transmite as informações ao cérebro, de forma semelhante aos estímulos auditivos, olfativos ou visuais.

Ao estudar como camundongos e humanos percebem as vibrações táteis, pesquisadores das universidades de Genebra e Friburgo (Suíça) descobriram agora que o cérebro não percebe com segurança e precisão a frequência de uma vibração quando a amplitude dessa vibração varia.

Em vez disso, nosso cérebro cria um "fenômeno ilusório", destacando mais uma vez o quanto nossa percepção do mundo ao nosso redor pode se desviar de sua realidade física.

"Acontece que os camundongos são mais sensíveis a frequências mais altas (cerca de 1000 Hz), enquanto a sensibilidade humana é ótima na faixa de frequência muito mais baixa, cerca de 250 Hz," explicou o professor Mario Prsa. "No entanto, camundongos e humanos têm mais dificuldade em diferenciar uma frequência mais baixa de uma mais alta quando suas amplitudes não equivalem. Uma escolha específica de suas respectivas amplitudes pode realmente criar metâmeros perceptuais: Frequências fisicamente diferentes que são perceptualmente indistinguíveis. É bastante notável!

Ilusão psicofísica

A ilusão criada pelo cérebro segue um princípio simples: Frequências que são mais altas ou mais baixas do que a frequência mais sensível - 250 Hz para humanos e 1000 Hz para camundongos - são sentidas como mais semelhantes a essa frequência preferida quando sua amplitude é aumentada.

Nesta condição, uma vibração de alta frequência (por exemplo, 500 Hz) parece, portanto, ser mais baixa do que realmente é, enquanto uma vibração cuja frequência é inferior à preferida (por exemplo, 150 Hz) parece ser mais alta.

"Tornando-se vítima dessa ilusão psicofísica, o cérebro percebe incorretamente voltando-se para algo que ele conhece melhor," descreveu Prsa. "Esses fenômenos também são característicos de outros sentidos, como a audição, onde nossa própria percepção pode ser enganada por volumes muito baixos ou muito altos e raramente representa atributos físicos reais do som, mas sim um recurso composto de várias características de estímulo."

Como e por que essa ilusão é criada em nossos cérebros?

"Essa questão é justamente o tema do nosso trabalho a seguir," contou Daniel Huber, coordenador da equipe. "Em que momento exatamente o cérebro falha em interpretar corretamente os estímulos táteis, e o que acontece no nível neuronal? E por que diferentes espécies, como camundongos e humanos, percebem erroneamente da mesma maneira?"

Checagem com artigo científico:

Artigo: A common computational principle for vibrotactile pitch perception in mouse and human
Autores: Mario Prsa, Deniz Kilicel, Ali Nourizonoz, Kuo-Sheng Lee, Daniel Huber
Publicação: Nature Communications
Vol.: 12, Article number: 5336
DOI: 10.1038/s41467-021-25476-9
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Neurociências

Mente

Cérebro

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.