05/05/2022

Um babaca ou um completo idiota? Você provavelmente tem um em sua vida

Redação do Diário da Saúde
Um babaca ou um completo idiota? Você provavelmente tem um em sua vida
Você conhece a Teoria dos Machos Idiotas?
[Imagem: Gerd Altmann/Pixabay]

O maior babaca da sua vida

Todo mundo conhece pelo menos uma pessoa em sua vida que é irritante, exasperante e geralmente desagradável de se estar por perto - em outras palavras, um completo babaca.

E você sabia que existe um perfil bem característico entre esses babacas?

Pesquisadores descobriram que esses típicos "maiores idiotas" na vida das pessoas são, em sua maioria, homens de meia-idade, e cerca de metade dos "idiotas" eram ex-parceiros românticos, antigos chefes ou familiares distantes.

Os psicólogos pediram a quase 400 pessoas que pensassem no "maior babaca" de suas vidas para avaliar os traços que as pessoas associam ao termo: A maioria dos assim nomeados eram vistos como manipuladores, agressivos e se achavam o máximo.

Semelhança com distúrbios psicológicos

Esses traços de personalidade, juntamente com outros temas comuns como manipulação e irresponsabilidade, não caracterizam apenas "babacas" comuns. Estes são alguns dos mesmos traços destacados nos transtornos de personalidade psicopática, antissocial e narcisista - os pesquisadores ressaltam que essas semelhanças não significam necessariamente que o "seu babaca" tenha um distúrbio de personalidade.

"As pessoas realmente não tiveram muita dificuldade em descobrir quem era o 'maior babaca' em suas vidas," contou Brinkley Sharpe, da Universidade da Geórgia (EUA). "Na média, os participantes não achavam que eram muito próximos desses indivíduos, o que faz sentido porque essas pessoas estão sendo descritas como tendo comportamentos bastante aversivos."

Mas cerca de um em cada três dos "maiores idiotas" eram pessoas atualmente na vida dos participantes, incluindo colegas de trabalho, amigos e até parceiros românticos atuais.

Desagradáveis e raivosos

A maioria dos participantes acreditava que os idiotas em suas vidas estavam cientes de que seu comportamento incomodava as pessoas, mas simplesmente não se importavam o suficiente para mudar.

Essas pessoas muitas vezes pareciam não conseguir controlar sua raiva, eram irresponsáveis e tinham opiniões fanáticas.

"O que me pareceu interessante é que os comportamentos que as pessoas estavam descrevendo são uma espécie de escala," disse Sharpe. "Quando falamos de personalidade, o babaca foi descrito como alguém que não é agradável e está com raiva. Quando falamos sobre comportamentos, o idiota não estava necessariamente sendo antagônico em relação às pessoas, mas eles simplesmente não se importavam com o que os outros estavam pensando ou como eram percebidos pelos outros."

As respostas variaram desde reclamações aparentemente triviais, coisas como "Essa pessoa jogou fora a decoração da casa", até questões bastante graves. "Algumas das respostas foram bastante violentas," contou Sharpe. "Tivemos um casal em que o indivíduo fez algo que era francamente criminoso."

"Há claramente muita variação no modo como as pessoas usam essa palavra," disse Sharpe. "Eu acho que a implicação deste estudo é que os insultos importam. Nós queremos dizer certas coisas usando-os ou os associamos a certas características."

Checagem com artigo científico:

Artigo: They Are Such an Asshole: Describing the Targets of a Common Insult Among English-Speakers in the United States
Autores: Brinkley M. Sharpe, Courtland S. Hyatt, Donald R. Lynam, Joshua D. Miller
Publicação: Collabra Psychology
Vol.: 8 (1): 32552
DOI: 10.1525/collabra.32552
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Comportamento

Relacionamentos

Emoções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2022 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.