24/10/2019

Açaí combate malária resistente a medicamentos

Redação do Diário da Saúde
Açaí combate malária resistente a medicamentos
Os polifenóis do açaí combateram fortemente o parasita da malária, inclusive as vertentes já resistentes aos medicamentos.
[Imagem: Letícia T. Ferreira et al. - 10.1021/acsomega.9b02127]

Açaí contra malária

Apesar dos melhores esforços para erradicar a malária, a doença atingiu mais de 200 milhões de pessoas em 2017, segundo a Organização Mundial da Saúde. Pior ainda, o parasita que causa a malária está desenvolvendo resistência a muitos medicamentos antimaláricos, incluindo o principal, a cloroquina.

A ótima notícia é que um grupo de pesquisadores, em sua maioria brasileiros, descobriu que extratos de açaí podem reduzir os parasitas no sangue e prolongar a sobrevivência. Os experimentos até agora foram feitos apenas em animais de laboratório, mas os resultados são animadores o suficiente para levar a pesquisa a uma nova etapa.

O açaí é nativo do Brasil e curandeiros tradicionais já usam as frutas para tratar os sintomas da malária há séculos. Nos últimos anos, o alto conteúdo antioxidante da fruta aumentou sua popularidade fora do país e tem levado alguns pesquisadores a considerá-la um "superalimento".

Essa atividade antioxidante tem origem principalmente nos polifenóis, compostos que têm sido associados a benefícios à saúde, como perda de peso, prevenção de doenças cardiovasculares e diminuição do risco de câncer.

Polifenóis do açaí

Letícia Ferreira e colegas das universidades de Campinas (Unicamp) e da Universidade A&M do Texas (EUA) extraíram polifenóis das bagas de açaí e depois aplicaram os extratos a culturas de parasitas da malária cultivadas em uma placa de Petri.

A equipe constatou que uma classe de polifenóis chamados fenólicos de nonantocianinina inibiu o crescimento dos parasitas da malária tanto sensíveis quanto resistentes à cloroquina.

Em seguida, os pesquisadores administraram oralmente os polifenóis de açaí a camundongos infectados com malária. O tratamento reduziu a carga parasitária no sangue dos animais em 89,4%, em comparação com os camundongos não tratados. Todos os animais que receberam polifenóis sobreviveram por mais de 15 dias, enquanto nenhum dos não tratados sobreviveu.

Os extratos de açaí parecem interferir na homeostase proteica dos parasitas ou no equilíbrio entre produção e degradação de proteínas, dizem os pesquisadores. Este será o tema seguinte de sua pesquisa, antes de partir para os testes em humanos.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Chemical Genomic Profiling Unveils the in Vitro and in Vivo Antiplasmodial Mechanism of Aça?? (Euterpe oleracea Mart.) Polyphenols
Autores: Letícia T. Ferreira, Vinícius P. Venancio, Taila Kawano, Lailah C. C. Abrão, Tatyana A. Tavella, Ludimila D. Almeida, Gabriel S. Pires, Elizabeth Bilsland, Per Sunnerhagen, Luciana Azevedo, Stephen T. Talcott, Susanne U. Mertens-Talcott, Fabio T. M. Costa
Publicação: ACS Omega
Vol.: 4, 13, 15628-15635
DOI: 10.1021/acsomega.9b02127

Ver mais notícias sobre os temas:

Medicamentos Naturais

Alimentação e Nutrição

Terapias Alternativas

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.