23/10/2023

Será que a ansiedade é contagiosa?

Redação do Diário da Saúde
Será que a ansiedade é contagiosa?
O "contágio emocional" pode impactar o cérebro de forma duradoura.
[Imagem: Billy Cedeno/Pixabay]

Estresse no início da infância

Casos graves de estresse vivenciados no início da vida são reconhecidos como um fator de risco para o desenvolvimento de doenças neuropsiquiátricas, como a ansiedade, mais tarde na vida.

Mas Jinxiang Jiang e colegas da Universidade Guangzhou (China) estavam interessados em efeitos mais sutis: Será que o simples fato de testemunhar outra criança - um irmão ou um colega de escola, por exemplo - passando por uma experiência estressante teria impacto nos indivíduos num momento posterior.

A separação materna durante a infância é frequentemente usada como modelo de pesquisa para o estresse precoce e suas consequências. Como seria eticamente inaceitável fazer experimentos desse tipo com crianças, Jiang e seus colegas usaram camundongos para investigar se testemunhar a experiência de irmãos sendo separados da mãe teria resultados mensuráveis e efeitos comportamentais em um momento posterior (adolescência).

A equipe investigou esta ideia removendo alguns filhotes das suas mães e medindo a resposta mais tarde na vida dos irmãos da ninhada que testemunharam a ocorrência.

Os resultados mostraram mudanças significativas na força sináptica em uma população de neurônios no córtex cingulado anterior, que codifica a dor física e social, bem como uma transferência de comportamento semelhante ao da ansiedade. Isto indica que o "contágio emocional" - uma espécie de ansiedade transmitida - pode impactar o cérebro de forma duradoura.

Ansiedade contagiosa

Se já se sabia que experimentar estresse severo no início da vida pode levar a problemas de saúde mental, agora se demonstrou que basta testemunhar outro indivíduo sofrendo estresse para impactar a saúde mental da pessoa - em outras palavras, a ansiedade induzida pelo estresse é contagiosa.

Embora este estudo tenha sido realizado em camundongos e não seja garantido que ele seja traduzido para os humanos, os pesquisadores afirmam que os resultados sugerem que testemunhar outra pessoa, como um amigo ou irmão, vivenciando uma situação estressante na juventude também pode nos afetar mais tarde na vida, e eles esperam que a identificação das áreas cerebrais afetadas, identificadas nesta pesquisa, possam ajudar a orientar o desenvolvimento de futuros tratamentos para essas situações.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Distinct ACC neural mechanisms underlie authentic and transmitted anxiety induced by maternal separation in mice
Autores: Jinxiang Jiang, Shuyi Tan, Xiaoyi Feng, Yigang Peng, Cheng Long, Li Yang
Publicação: JNeurosci
DOI: 10.1523/JNEUROSCI.0558-23.2023
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Emoções

Relacionamentos

Neurociências

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2023 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.