08/04/2020

Antirretroviral anti-AIDS apresenta ação contra covid-19

Com informações da Agência Brasil

Antirretroviral contra coronavírus

Pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) demonstraram, em laboratório, que o antirretroviral atazanavir, usado no coquetel anti-AIDS, inibe a replicação do novo coronavírus em células infectadas.

Os resultados obtidos ainda precisam ser confirmados através de testes clínicos com pacientes para que o medicamento se torne uma possibilidade no combate à doença.

A pesquisadora Milene Miranda avalia que os resultados foram muito promissores, já que o antirretroviral, usado no combate ao HIV, não só inibiu a replicação viral como reduziu o quadro inflamatório das células infectadas com o sars-cov-2, causador da covid-19.

"Se a pessoa tem um processo inflamatório menor, ela tem um melhor prognóstico," resumiu a bióloga.

Diferente da cloroquina

A pesquisa também mostrou que o atazanavir apresenta um funcionamento diferente do que a cloroquina poderia ter no combate ao vírus, caso sua efetividade seja cientificamente comprovada.

"São mecanismos diferentes de ação que poderiam ser combinados," disse Milene.

A bióloga adverte, entretanto, que os resultados dos testes não são suficientes para a administração do remédio em pacientes com coronavírus, muito menos devem motivar automedicação.

"Nosso principal alerta é que esse é um experimento, não é um ensaio clínico. Ainda tem etapas a serem cumpridas. O objetivo foi chamar atenção para um segundo uso de um medicamento. E não para que se saísse por aí tomando o atazanavir", afirma. "A automedicação nunca é indicada."

Reaproveitamento de remédios

Milene Miranda explica que uma das vantagens da pesquisa com medicamentos já utilizados para outras doenças é a possibilidade de superar mais rapidamente às exigências regulatórias, caso os próximos experimentos confirmem que a substância poderia ser utilizada contra o coronavírus.

"Quando você descobre um novo medicamento, entre descrever uma atividade in vitro e ter esse medicamento podendo ser administrado, isso pode levar 20 anos. Mas, quando se observa um segundo uso para um fármaco que já é utilizado, você consegue agilizar algumas dessas etapas," afirmou.

Checagem com artigo científico:

Artigo: The clinically approved antiviral drug sofosbuvir inhibits Zika virus replication
Autores: Carolina Q. Sacramento, Gabrielle R. de Melo, Caroline S. de Freitas, Natasha Rocha, Lucas Villas Bôas Hoelz, Milene Miranda, Natalia Fintelman-Rodrigues, Andressa Marttorelli, André C. Ferreira, Giselle Barbosa-Lima, Juliana L. Abrantes, Yasmine Rangel Vieira, Mônica M. Bastos, Eduardo de Mello Volotão, Estevão Portela Nunes, Diogo A. Tschoeke, Luciana Leomil, Erick Correia Loiola, Pablo Trindade, Stevens K. Rehen, Fernando A. Bozza, Patrícia T. Bozza, Nubia Boechat, Fabiano L. Thompson, Ana M. B. de Filippis, Karin Brüning, Thiago Moreno L. Souza
Publicação: Nature Communications
Vol.: 7, Article number: 40920
DOI: 10.1038/srep40920
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Epidemias

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2020 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.