05/09/2018

Brasileiros descobrem como vírus oropouche ataca células humanas

Com informações da Agência Fapesp
Brasileiros descobrem como vírus oropouche ataca células humanas
A pesquisa indica potenciais alvos a serem explorados na tentativa de barrar a infecção pelo oropouche. Na imagem aparecem o vírus Oropouche [verde] e as proteínas TGN46 e giantina [vermelho e azul], 18 horas após a infecção.
[Imagem: Natalia S. Barbosa et al. - 10.1371/journal.ppat.1007047]

Oropouche

Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) lideraram uma equipe internacional que descobriu a estratégia usada pelo vírus oropouche para se replicar dentro de células humanas.

"São patógenos importantes do ponto de vista da saúde pública. No Brasil, apenas o oropouche causa doenças, mas em outras regiões do mundo também são endêmicos o vírus da encefalite de La Crosse e o Crimeia-Congo, causador de febre hemorrágica. Há também membros dessa família que causam doenças em gado," explicam Natália Barbosa e Luis Lamberti da Silva, referindo-se aos vírus da família Peribunyaviridae.

No caso do oropouche, os sintomas são parecidos com os da dengue: dores nas articulações, na cabeça e atrás dos olhos, além de febre aguda. A diferença é que, em cerca de metade dos casos, ocorre uma recidiva da doença após a melhora dos sintomas.

O vírus é transmitido por um mosquito de hábitos urbanos, o Culicoides paraenses, popularmente conhecido como borrachudo ou maruim. Estima-se em mais de meio milhão os casos de infecção por oropouche em surtos ocorridos em vilarejos e cidades da Amazônia, mas ele tem aparecido também em outras regiões do país, sendo considerado por especialistas um vírus emergente.

"Certamente essa doença é subnotificada, sendo muitas vezes confundida com outras arboviroses. É considerada de baixa gravidade, mas o preocupante é que ainda não sabemos quais as possíveis consequências da infecção para o sistema nervoso no longo prazo", disse Luis.

Complexo de Golgi

O que os pesquisadores descobriram é que, logo após invadir a célula, o patógeno "sequestra" a organela conhecida como complexo de Golgi, que se transforma em uma verdadeira fábrica de vírus. Para isso, o oropouche recruta complexos proteicos da célula hospedeira chamados ESCRT (pronuncia-se "escort"), que têm a capacidade de deformar a membrana do complexo de Golgi, permitindo a entrada do genoma viral.

Constituída por dobras de membranas e vesículas, essa organela tem como função primordial o processamento, armazenamento e distribuição de proteínas produzidas nos ribossomos.

"Essa forma de sequestro do complexo de Golgi, por meio do uso de proteínas ESCRT, nunca havia sido demonstrada para nenhum outro vírus. É uma descoberta que aponta novos alvos a serem explorados na tentativa de barrar a infecção", disse Natália.

Um dos objetivos do grupo agora é investigar quais são as proteínas produzidas pelo oropouche para recrutar o complexo ESCRT. "Elas também seriam potenciais alvos a serem explorados para barrar a infecção", disse Luis.


Ver mais notícias sobre os temas:

Vírus

Epidemias

Infecções

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.