07/08/2020

Casados e solteiros têm felicidade muito semelhante ao longo da vida

Redação do Diário da Saúde
Casados e solteiros têm felicidade muito semelhante ao longo da vida
A mesma equipe já havia recomendado que não devemos procurar nossa alma gêmea, mas sim procurar uma pessoa legal.
[Imagem: Michigan State University]

Amor e casamento

Será que William Shakespeare estava mesmo certo quando disse: "É melhor amar e perder do que nunca amar"?

Cientistas queriam tirar isso a limpo e, para simplificar, eles entenderam "amar" como "estar casado", e fizeram uma pesquisa para quantificar a felicidade das pessoas casadas, ex-casadas e solteiras no final de suas vidas.

O objetivo era descobrir o quanto amor e casamento contribuíram para o bem-estar geral durante a vida.

Eles examinaram as histórias de relacionamento de 7.532 pessoas, entre 18 e 60 anos, para determinar quem relatava ser mais feliz no final de suas vidas.

"As pessoas geralmente pensam que precisam se casar para serem felizes, então fizemos as perguntas: 'As pessoas precisam ter um relacionamento para serem felizes? Viver solteiro a vida inteira se traduz em infelicidade? E se você tiver sido casado em algum ponto, mas não deu certo? Acontece que apostar sua felicidade em ser casado não é uma aposta garantida," disse o professor William Chopik, da Universidade Estadual de Michigan (EUA).

Solteiro ou casado, mas feliz

Chopik e sua colega Mariah Purol descobriram que os participantes se enquadravam em um dos três grupos: 79% foram casados de forma consistente, passando a maior parte de suas vidas em um casamento; 8% foram consistentemente solteiros ou pessoas que passaram a maior parte de suas vidas solteiras; e 13% tinham histórias variadas, saindo e entrando em relacionamentos, divórcio, se casando novamente ou se tornando viúvo.

Os pesquisadores então pediram aos participantes que avaliassem a felicidade geral quando adultos e compararam os dados com o grupo em que cada pessoa caía.

Enquanto as pessoas casadas apresentaram um ligeiro aumento na felicidade, Purol destaca que a margem não foi substancial - muito menos do que muitos poderiam esperar. Enquanto o grupo consistentemente casado assinalou 4 em uma escala de 5 de quanto estavam felizes, as pessoas consistentemente solteiras responderam 3,82, e as pessoas com histórico variado responderam 3,7.

"Ficamos surpresos ao descobrir que solteiros ao longo da vida e aqueles que tinham histórias de relacionamento variadas não diferiam em quão felizes eram," disse Purol. "Isso sugere que aqueles que 'amaram e perderam' são tão felizes no final da vida quanto aqueles que 'nunca amaram'."

Checagem com artigo científico:

Artigo: Loved and lost or never loved at all? Lifelong marital histories and their links with subjective well-being
Autores: Mariah F. Purol, Victor N. Keller, Jeewon Oh, William J. Chopik, Richard E. Lucas
Publicação: Journal of Positive Psychology
DOI: 10.1080/17439760.2020.1791946
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Felicidade

Relacionamentos

Sentimentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.