11/02/2019

CFM recua sobre telemedicina e vai ouvir entidades médicas

Com informações da Agência Brasil

Críticas e sugestões

O Conselho Federal de Medicina (CFM) retrocedeu em suas medidas que autorizaram a telemedicina e o atendimento médico completo à distância.

O órgão agora abriu prazo de 60 dias para receber contribuições relativas à sua resolução (2.227/2018), que deveria entrar em vigor em Maio. Os conselhos regionais de medicina (CRMs) e demais entidades médicas poderão opinar sobre as medidas.

O Conselho Regional de Medicina do Estado do Rio Grande do Sul, o Sindicato Médico do Rio Grande do Sul e a Associação Médica do Rio Grande do Sul publicaram nota conjunta esclarecendo que não participaram do processo de elaboração da resolução.

"Além disso, reiteram que têm inúmeras críticas e sugestões para a melhor incorporação dessa tecnologia à boa prática médica e para a saúde da população", destacou o comunicado.

A resolução do CFM autoriza a realização de consultas online, telecirurgias e telediagnóstico, entre outras formas de atendimento à distância. O texto estabelece a telemedicina como exercício da medicina mediado por tecnologias para fins de assistência, educação, pesquisa, prevenção de doenças e lesões e promoção de saúde, podendo ser realizada em tempo real ou offline.

"O CFM concordou em receber dos CRMs, das entidades médicas e da categoria propostas para o aperfeiçoamento da norma. Elas serão analisadas e poderão ser implementadas, após deliberação do plenário do Conselho Federal de Medicina," informou a entidade.


Ver mais notícias sobre os temas:

Atendimento Médico-Hospitalar

Ética

Softwares

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.