29/01/2019

Comprimido com bluetooth monitora estômago por um mês

Redação do Diário da Saúde
Comprimido com bluetooth monitora estômago por um mês
Esse "comprimido robótico" pode se alojar no estômago por várias semanas e se comunicar sem fio com um celular
[Imagem: Traverso Lab/MIT]

Comprimido eletrônico

Uma espécie de "comprimido eletrônico" promete fazer mais pela sua saúde graças à possibilidade de que a cápsula seja controlada remotamente, depois que você a engolir, usando a tecnologia sem fio bluetooth.

A cápsula pode ser ajustada para liberar diferentes tipos de medicamentos ou para detectar as condições do "ambiente" - seu estômago, por exemplo - ou mesmo para fazer as duas coisas, diagnosticando a condição e já aplicando o remédio.

Ela pode permanecer no estômago por pelo menos um mês, transmitindo informações e respondendo a instruções enviadas por um aplicativo rodando no celular do paciente.

Um dos argumentos para uso da pílula eletrônica é que ela pode ser usada para aplicar medicamentos que devem ser tomados por um longo período de tempo.

Por exemplo, ela poderia ser usada para monitorar pessoas com alto risco de infecção, como pacientes que estão recebendo quimioterapia ou drogas imunossupressoras. Se a infecção for detectada, a cápsula pode começar a liberar antibióticos.

Ou o dispositivo poderia ser projetado para liberar anti-histamínicos quando detectar uma reação alérgica.

Esses dispositivos também podem ser usados para se comunicar com outros dispositivos médicos portáteis e implantáveis, reunindo informações a serem transmitidas ao celular do paciente ou do médico.

"Nosso sistema pode fornecer monitoramento e tratamento em circuito fechado, onde um sinal pode ajudar a orientar a entrega de um medicamento ou ajustar a dose de um medicamento," disse o Dr. Giovanni Traverso, do MIT, que desenvolveu o comprimido eletrônico com colegas da Universidade Draper e do Hospital Brigham and Women.

Este protótipo inicial é alimentado por uma pequena bateria de óxido de prata. Mas os pesquisadores estão explorando a possibilidade de substituir a bateria por fontes de energia alternativas, como uma bateria alimentada pelo ácido estomacal ou mesmo pela transmissão de eletricidade sem fios.


Ver mais notícias sobre os temas:

Robótica

Biochips

Medicamentos

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2019 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.