06/02/2023

Crianças e adultos vivenciam o tempo e sua duração de modos diferentes

Redação do Diário da Saúde
Crianças e adultos vivenciam o tempo e sua duração de modos diferentes
Pesquisadores investigaram se a percepção do tempo muda com a idade e, em caso afirmativo, como e por que percebemos a passagem do tempo de maneira diferente.
[Imagem: Nádasdy Zoltán]

O tempo passa mais devagar na infância?

O tempo parece ter seus truques, frequentemente iludindo nossas lembranças e nossas previsões. Muitos de nós experimentamos a ilusão de que aquelas longas férias durante a infância pareciam muito mais longas do que os mesmos 30 dias agora como adultos.

Pesquisadores da Hungria se propuseram a mensurar esse efeito. Para isso, Sandra Stojic e colegas da Universidade Eotvos Loránd mediram como eventos afetam as estimativas de duração em três faixas etárias: 4-5, 9-10 e 18 anos ou mais.

O experimento envolvia dois vídeos extraídos de uma série de animação, balanceados em recursos visuais e acústicos, exceto por uma característica: O ritmo dos acontecimentos. Um dos vídeos consistia em uma rápida sucessão de eventos (um policial resgatando animais e prendendo um ladrão), e o outro era uma sequência monótona e repetitiva (seis prisioneiros sombrios fugindo em um barco a remo).

Os dois clipes foram reproduzidos em uma ordem equilibrada de 50%, começando pelo mais agitado. Depois de assistir aos dois vídeos, os voluntários respondiam a apenas duas perguntas: "Qual deles era mais longo?" e "Você pode mostrar as durações com seus braços?" - são perguntas fáceis de entender, mesmo para uma criança de 4 anos.

Os resultados mostraram uma tendência muito clara em cada faixa etária - a surpresa foi que, nas crianças em idade pré-escolar, a tendência está exatamente na direção oposta que nos jovens e adultos.

Crianças e adultos vivenciam o tempo e sua duração de modos diferentes
Outros experimentos propõem que o tempo fica entre a realidade e nossas expectativas.
[Imagem: Sandra Stojic et al. - 10.1038/s41598-023-27419-4]

Quando o tempo fica mais longo

Enquanto mais de 2/3 dos alunos do jardim de infância perceberam o vídeo agitado como mais longo, 3/4 do grupo de adultos sentiu que o vídeo monótono era mais longo. O grupo de idades intermediárias expressou esse mesmo viés, mas mais moderado do que o adulto.

Tomando os três grupos de modo geral, o ponto de inflexão, quando o vídeo mais monótono passa a ser considerado mais longo, está por volta dos 7 anos.

O outro teste envolvia a distância da abertura do braço para expressar o tempo - sempre houve interesse dos cientistas em descobrir a relação entre tempo e espaço: "Em que direção está o futuro?", por exemplo.

Nesse experimento, houve uma tendência crescente de usar a abertura horizontal do braço conforme aumentava a idade: Enquanto as crianças em idade pré-escolar usavam 50-50% de gestos verticais e horizontais, na idade escolar essa proporção mudou para 80-90% em favor de expressões de braço horizontais.

Esses resultados são inesperados porque nenhum dos modelos científicos de percepção do tempo conseguiu prevê-lo. Os modelos biológicos de percepção do tempo se enquadram em duas categorias: neurônios semelhantes a marcapassos no cérebro e neurônios que exibem uma taxa de disparo decrescente com o tempo.

Ainda assim, "quem" interpretaria esses sinais no cérebro é algo que os cientistas não sabem responder. Ambas as classes de modelo assumem um "aprimoramento" contínuo das avaliações com a idade. No entanto, não foi isso que os pesquisadores constataram. Em vez disso, o que eles descobriram foi um ponto de inflexão muito claro por volta dos sete anos de idade.

Enigma do tempo

A equipe sugere mudar para os modelos heurísticos, introduzidos na ciência cognitiva por Amos Tversky e Daniel Kahneman, mas isso não os livra do problema da inflexão radical da avaliação por volta dos sete anos de idade.

Embora o enigma do tempo tenha intrigado e continue a intrigar a mente humana, é essencial perceber que esses conceitos fundamentais, como tempo e espaço, são mais complexos do que podemos definir por certos tipos de neurônios no cérebro.

Para discutir esses conceitos abstratos, é preciso conectar todas as peças biológicas e cognitivas. Será que algum dia completaremos esse quebra-cabeça? Só o tempo irá dizer.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Children and adults rely on different heuristics for estimation of durations
Autores: Sandra Stojic, Vanja Topic, Zoltan Nadasdy
Publicação: Nature Scientific Reports
Vol.: 13, Article number: 1077
DOI: 10.1038/s41598-023-27419-4
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Mente

Emoções

Educação

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2023 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.