09/11/2021

Descoberta rota cerebral onde passam efeitos placebo e nocebo

Redação do Diário da Saúde
Descoberta rota cerebral onde passam efeitos placebo e nocebo
Resumo das regiões do tronco encefálico nas quais as mudanças de intensidade do sinal estão significativamente correlacionadas aos efeitos placebo ou nocebo - a via do mesencéfalo periaquedutal cinza (PAG) à medula rostroventromedial (RVM) apresenta respostas opostas.
[Imagem: Lewis Crawford et al. - 10.1523/JNEUROSCI.0806-21.2021]

Nocebo e placebo

Como você bem sabe quando corta um dedo ou um dente resolve dar problemas, a dor nem sempre está só na sua cabeça.

Mas, e em um número enorme de vezes, suas expectativas de fato influenciam sua percepção da dor ou da intensidade da dor.

O efeito placebo e o efeito nocebo estão largamente documentados na literatura científica, mas os cientistas continuam ainda sem entender como eles funcionam fisiologicamente.

Apenas para lembrar, o efeito nocebo é o sugestionamento positivo induzido nas pessoas que acreditam estar tomando um medicamento ativo ou recebendo uma terapia eficaz; o efeito nocebo é o contrário, cobrindo os eventos que ocorrem como resultado de expectativas negativas sobre um tratamento ou medicamento.

Lewis Crawford e seus colegas da Universidade de Sidnei (Austrália) descobriram agora que a informação sobre as expectativas - o motor do efeito placebo - viaja no cérebro saindo do córtex e indo para grupos de células no tronco cerebral.

São esses sinais que então modulam os sinais de dor na medula espinhal.

Rota para novos tratamentos da dor

Os pesquisadores mediram a atividade cerebral usando ressonância magnética funcional (fMRI) de alta resolução em voluntários conforme eles avaliavam a dor que sentiam ao receber um estímulo quente aplicado em seus braços.

A equipe condicionou os participantes a pensar que três tipos de creme haviam sido aplicados em seus braços: um creme analgésico com lidocaína, um creme intensificador de calor, com capsaicina, e vaselina.

Na realidade, todos os três cremes eram vaselina, de forma que quaisquer diferenças percebidas na dor vinham do efeito placebo (redução imaginária da dor) ou do efeito nocebo (aumento imaginário da dor).

Tanto o efeito placebo quanto o nocebo influenciaram a atividade no mesmo circuito do tronco cerebral - mas fizeram isso de maneiras opostas.

A força do efeito placebo foi associada ao aumento da atividade em uma área chamada medula ventromedial rostral e diminuição da atividade em um núcleo denominado cinza periaquedutal; o efeito nocebo induziu a mudança oposta.

Segundo a equipe, a descoberta é importante não apenas por revelar o papel do tronco encefálico na modulação da dor, mas principalmente por oferecer uma rota para o desenvolvimento de novos tratamentos para a dor crônica.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Brainstem mechanisms of pain modulation: a within-subjects 7T fMRI study of Placebo Analgesic and Nocebo Hyperalgesic Responses
Autores: Lewis Crawford, Emily Mills, Theo Hanson, Paul M. Macey, Rebecca Glarin, Vaughan G. Macefield, Kevin A. Keay, Luke A. Henderson
Publicação: The Journal of Neuroscience
DOI: 10.1523/JNEUROSCI.0806-21.2021
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Dores Crônicas

Cérebro

Mente

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.