27/01/2021

Descoberto anticorpo que bloqueia vírus da dengue

Redação do Diário da Saúde
Descoberto anticorpo que bloqueia vírus da dengue
O anticorpo 2B7 aparece em verde, neutralizando a proteína NS1 do vírus da dengue.
[Imagem: Rajani Arora/University of Michigan]

Anticorpo contra dengue

Uma equipe de pesquisadores das universidades da Califórnia, Berkeley e Michigan (EUA) descobriu um anticorpo que bloqueia a propagação do vírus da dengue no corpo.

O vírus da dengue usa uma proteína específica, chamada Proteína Não Estrutural 1 (NS1), para se prender às células protetoras ao redor dos órgãos. A proteína enfraquece a barreira protetora, permitindo que o vírus infecte a célula, podendo causar a ruptura dos vasos sanguíneos, levando à altamente fatal dengue hemorrágica.

Agora, Scott Biering e seus colegas desenvolveram em laboratório um anticorpo, chamado 2B7, que bloqueia fisicamente a proteína NS1, impedindo-a de se ligar às células e retardando a propagação do vírus. Além disso, como ataca a proteína diretamente, e não a própria partícula do vírus, o 2B7 é eficaz contra todas as quatro cepas do vírus da dengue.

Até agora, os pesquisadores comprovaram que o anticorpo 2B7 bloqueia efetivamente a propagação do vírus da dengue em camundongos, a primeira etapa dos testes in vivo, que deverão prosseguir até chegar aos humanos.

Outros flavivírus

Outra novidade importante é que esse mesmo anticorpo pode fornecer novos tratamentos para outros flavivírus, similares à dengue, um grupo de vírus que inclui o zika e o vírus do Nilo Ocidental.

"Os flavivírus infectam centenas de milhões de pessoas todo ano e dezenas de milhares morrem das doenças associadas," disse o professor Bob Fischetti, líder da equipe. "As estruturas das proteínas têm desempenhado um papel crítico no desenvolvimento de medicamentos e vacinas para várias doenças, e esses novos resultados são essenciais para o desenvolvimento de um tratamento potencialmente eficaz contra os flavivírus."

Cepas da dengue

A dengue, que infecta entre 50 e 100 milhões de pessoas por ano, gera sintomas que incluem febre, vômitos e dores musculares, e pode levar a doenças mais graves e até à morte.

Atualmente, não existem tratamentos ou vacinas eficazes para o vírus da dengue. Como existem quatro cepas diferentes do vírus, a construção de anticorpos contra uma cepa pode, na verdade, deixar as pessoas mais vulneráveis à infecção subsequente por outra cepa, o que torna mais difícil encontrar uma terapêutica eficaz.

Checagem com artigo científico:

Artigo: Structural basis for antibody inhibition of flavivirus NS1-triggered endothelial dysfunction
Autores: Scott B. Biering, David L. Akey, Marcus P. Wong, W. Clay Brown, Nicholas T. N. Lo, Henry Puerta-Guardo, Francielle Tramontini Gomes de Sousa, Chunling Wang, Jamie R. Konwerski, Diego A. Espinosa, Nicholas J. Bockhaus, Dustin R. Glasner, Jeffrey Li, Sophie F. Blanc, Evan Y. Juan, Stephen J. Elledge, Michael J. Mina, P. Robert Beatty, Janet L. Smith, Eva Harris
Publicação: Science
Vol.: 371, Issue 6525, pp. 194-200
DOI: 10.1126/science.abc0476
Siga o Diário da Saúde no Google News

Ver mais notícias sobre os temas:

Desenvolvimento de Medicamentos

Vírus

Prevenção

Ver todos os temas >>   

A informação disponível neste site é estritamente jornalística, não substituindo o parecer médico profissional. Sempre consulte o seu médico sobre qualquer assunto relativo à sua saúde e aos seus tratamentos e medicamentos.
Copyright 2006-2021 www.diariodasaude.com.br. Todos os direitos reservados para os respectivos detentores das marcas. Reprodução proibida.